A Igreja Católica na Austrália confessa um grave pecado: a sua responsabilidade em termos de emissão do gás que provoca o efeito estuda é maior do que a das demais grandes organizações no país.

A Catholic Earthcare, instituída em 2002, pelos bispos, para aconselhar a Igreja em questões ambientais, admite que, segundo as primeiras medições, suas emissões de gás que provoca o efeito estufa, giram em torno de 1,2 milhões a 1,5 milhões de toneladas de C02 por ano.

Tal valor está muito próximo do total apresentado pelo Governo australiano − excluídas as operações de defesa – que é de 1,7 milhões de toneladas por ano, e supera o valor apresentado por outras grandes entidades como, por exemplo, o National Australia Bank ou o Insurance Australia Group” – revelou a diretora do Catholic Earthcare, Jacqui Redmond, que lançou uma campanha para reduzir as emissões da Igreja a níveis mais condizentes com a necessidade ecológica mundial.

“Temos uma responsabilidade para com o Criador, e também para com as gerações futuras, por isso, temos que deixar uma marca mais leve de nossa presença neste mundo” – disse Jacqui Redmond.

“A decisão de analisar as emissões de gás C02 por parte da Igreja, usando os instrumentos de alta tecnologia desenvolvidos pela CarbonSystem, uma empresa privada que ajuda as organizações a reduzirem a produção de gás que provoca o efeito estufa, nos ajudará a sermos bons guardiões da criação” – acrescentou ela.

Fonte: Rádio Vaticano