A Igreja Católica na Venezuela advertiu, nesta segunda-feira, que a proposta de reforma constitucional defendida pelo presidente Hugo Chávez “é um retrocesso” para o país, e convidou os venezuelanos a “não hipotecarem” suas liberdades e direitos sociais.

“Não podemos hipotecar nossa liberdade (…) nem nossos direitos sociais” _ disse o presidente da Comissão de Meios e Cultura, da Conferência Episcopal Venezuelana, Dom Baltazar Enrique Porras Cardozo, arcebispo de Mérida.

Dom Porras Cardozo, que é também vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM) advertiu que, quando se discute a proposta de reforma constitucional “o que está em jogo não é o bem-estar da sociedade, nem a consolidação de um bem público, mas sim a consolidação dos que estão no poder”.

O presidente Hugo Chávez entregou, em 15 de agosto passado, ao Parlamento venezuelano, uma proposta para reformar 33 dos 350 artigos da Constituição. A proposta contempla, entre outras mudanças, o prolongamento do mandato presidencial de seis para sete anos, e a possibilidade de reeleição imediata.

Fonte: Rádio Vaticano