Durante 28 anos o governo do Estado de Kano se recusa a dar aprovação a uma igreja nesta cidade de mesmo nome ao norte da Nigéria, incentivando os muçulmanos locais a atacá-la por diversas vezes, denuncia o pastor.

O pastor Jacob Bako, da Igreja Evangélica de Cristo na Nigéria (ECCN, em inglês), disse que desde o Natal de 2006, moradores muçulmanos já incendiaram o local provisório da congregação por três vezes.

“Como o governo do Estado de Kano não deu a aprovação à igreja, fomos forçados a utilizar uma propriedade abandonada pelo governo nigeriano como local de nossas reuniões durante todos esses anos”, disse o Pr. Jacob. “Usamos palha para cobrir o prédio inacabado e então construímos bancos com o material que estava dentro da propriedade”.

Sem licença oficial, a igreja funciona em um projeto habitacional inacabado e abandonado. A congregação fundada em 1980 possui 115 membros e é a única igreja na área de Dawakin Kudu, diz o pastor.

“Tivemos muitas experiências ruins com os muçulmanos durante os anos nesta cidade. Eles não querem que a igreja sobreviva”, disse Jacob Bako, de 47 anos.

“Os muçulmanos incendiaram nosso local de reunião no Natal de 2006, e nos meses de abril e junho de 2007, eles repetiram esse ato criminoso” (leia mais).

Os muçulmanos foram em várias ocasiões ao local e escreveram mensagens de ódio contra os cristãos nas paredes do prédio, informou-nos o pastor; eles também defecaram no local e o sujaram.

“Lembro-me de que no Natal de 2006, os muçulmanos vieram ao local e o bagunçaram antes de pôr fogo no teto de palha”, disse Jacob. “Tivemos que limpar tudo antes de começarmos nosso período de louvor naquele dia”.

Em abril e junho de 2007 eles fizeram a mesma coisa. Incendiar nosso local virou uma prática comum.

Hostilidade virou estilo de vida

O Rev. Nelson Jebes, presidente da ECCN – Kano, confirmou os relatos do Pr. Bako e concordou que hostilidades são “uma realidade aqui em Kano – faz parte de nossas vidas e é nosso estilo de vida, agora”.

“Na maioria das vezes, os muçulmanos se levantam contra os cristãos”, disse o Rev. Jebes. “E neste processo, muitas igrejas são incendiadas e os cristãos têm suas casas destruídas”.

O reverendo lembrou-se do tumulto contra os cristãos de 28 de setembro de 2007, em Tudun Wada Dankadai, Kano, quando todas as igrejas foram incendiadas. “Não existe nenhuma igreja em pé ali hoje”, ele disse.

O reverendo disse que antes de usar o prédio abandonado, a igreja do Pr. Bako se reunia para adorar a Deus embaixo de árvores – até que os muçulmanos cortaram-nas.

“Foram esse ataques que levaram os cristãos a usarem o prédio abandonado como local de reunião”, disse o reverendo ao Compass. “Mas mesmo assim, eles estão sendo expulsos por causa dos incêndios provocados pelos muçulmanos”.

Fonte: Portas Abertas