Os bispos do Paraguai lançam um apelo para que o país enfrente a epidemia de dengue e de febre amarela que se alastra em todo território nacional.

Os bispos denunciam que a difusão das epidemias e da febre amarela deve-se ao estado de abandono em que se encontra a saúde pública no país, o que colocou em evidência “a falta de prevenção e o modo improvisado como trabalham instituições públicas, assim como uma inadequada informação aos cidadãos, provocando situações terríveis”.

Os prelados recordam que “a saúde pública é essencialmente responsabilidade do Estado”, e que este tem a obrigação “de agir de maneira oportuna e eficaz”.

Outras instituições e pessoas, no entanto, também têm a sua parte de responsabilidade na prevenção dessas doenças, observam os bispos: “Em grande parte depende da nossa colaboração”. Com efeito, a febre amarela e a dengue poderiam estar sob controle com a ativa participação da população para erradicar as causas que as provocam: “Por isso, é necessária uma mudança cultural que implique um empenho, por parte de todos os cidadãos, a trabalhar para o bem comum, realizando concretamente as tarefas que lhes cabem. Com nosso comportamento, podemos prevenir as doenças e salvar vidas humanas. Esta é uma exigência da caridade cristã. Não fazê-lo é um grave pecado de omissão”.

Fonte: Rádio Vaticano