A Arquidiocese de Belém (PA) começou a distribuir a carta chamada ‘Orientações ao povo de Deus sobre as Eleições 2006’, um documento com recomendações aos fiéis para que observem valores éticos dos candidatos em todas as esferas, seja moral, política, social e econômica.

Entre as recomendações da carta, o arcebispo metropolitano de Belém, Dom Orani Tempesta, conclama os fiéis para não votarem em candidatos que pregam a legalização do aborto, ou que em algum momento estiveram envolvidos em trabalhou infantil, prostituição ou corrupção durante a carreira política. O arcebispo aconselha os fiéis a avaliarem bem cada candidato e não contribuam para reeleger os que não mereceram a confiança depositada anteriormente pelos eleitores.

No texto da carta, Dom Orani propõe aos eleitores uma reflexão baseada inclusive na Constituição Federal, que no seu artigo 1º diz que ‘Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição’, diz o texto, citado para lembrar ao eleitor a importância que ele tem nas próximas eleições, que escolherão inclusive o dirigente máximo do País, que é o presidente da República. ‘É importante que a igreja e todo o eleitorado tenha consicência da grande responsabilidade que tem quando exerce o seu direito de voto. O eleitor precisa levar em conta os requisitos morais indispensáveis para o fortalecimento da democracia’, ressalta o arcebispo.

A carta também não deixa de lado o alerta contra candidatos que utilizam a religião como meio de ‘empresariar a fé’, isto é, que exigem dos fiéis a obrigatoriedade de votar apenas nos candidatos ligados à uma determinada organização religiosa à qual é eleitor deposita sua crença. Muitas vezes, diz o arcebispo, essas organizações proclamam que estão agindo em nome de Cristo, tornando praticamente inviável a capacidade de discernimento do eleitor. ‘Alguns destes candidatos, inclusive, figuram nos últimos escândalos de corrupção no parlamento brasileiro’, alerta o arcebispo.

A carta da Arquidiocese está sendo distribuída nas paróquias de Belém e da Região Metropolitana, para que os párocos possam repassar ao maior número possível de fiéis o seu conteúdo. Uma das preocupações da Arquidiocese é com o grande número de eleitores semi-analfdabetos e analfabetos funcionais, isto é, que vivem abaixo da linha da pobreza ou estão desempregados, tornando-se alvos fáceis de candidatos mal-intencionados, que fazem da política apenas um meio de enriquecimento e de chegar ao poder.

Dom Orani lembrou especialmente de temas que ainda são polêmicos e dizem respeito aos direitos humanos e à vida, como a legalização do aborto, a utilização de embriões na pesquisa científica e a eutanásia ativa.

Fonte: O Liberal