O líder da Igreja Ortodoxa russa no exterior, o metropolita Lavr, e o patriarca de Moscou e de todas as Rússias, Alexis II, assinaram nesta quinta-feira a ata de reunificação, que acaba com 80 anos de divisão entre as duas igrejas.

A assinatura da ata de “comunhão canônica”, ou seja a possibilidade para os sacerdotes das duas igrejas de concelebrar a eucaristia, aconteceu na catedral do Cristo Salvador em Moscou, na presença do presidente Vladimir Putin.

Com este documento, a Igreja Ortodoxa russa no exterior, que tem sede em Nova York, passa a integrar a Igreja Ortodoxa russa.

Depois das orações e dos cânticos de um coral masculino, o metropolita Lavr, vestido com uma casula azul bordada, e Alexis II, com uma casula verde, saudaram a reunificação e agradeceram a contribuição de Vladimir Putin para a concretização do momento histórico.

“Depois de décadas de cisma, é possível dizer hoje que não existem vencedores. Todo o mundo perdia, os fiéis, a sociedade em geral”, disse Putin.

Ao fim da liturgia, o clero das duas igrejas comungou no mesmo cálice para consagrar a reunificação no plano espiritual.

A Igreja Ortodoxa russa no exterior foi criada na década de 20 pelo clero que fugiu da Rússia bolchevique. A mesma rompeu com o patriarcado de Moscou depois que este último proclamou, em 1927, lealdade ao governo soviético e pediu à igreja no exílio que cooperasse com o novo poder.

Fonte: AFP