A Igreja Ortodoxa Russa condenou os crimes cometidos pelo ex-presidente do Iraque Saddam Hussein, mas pediu clemência, para que não se cumpra sua execução decidida por um tribunal iraquiano.

“A misericórdia é melhor que a vingança, porque oferece à pessoa condenada à morte a oportunidade de se arrepender”, declarou à agência “Interfax” o sacerdote Vsévolod Chaplin, chefe adjunto do departamento internacional do Patriarcado de Moscou.

Chaplin admitiu que Hussein “cometeu graves crimes contra os habitantes pacíficos de seu país”, mas lembrou que sua figura “conta ainda com o respeito de numerosos habitantes do Iraque”.

“Não esqueçamos que muitos ditadores e outros criminosos que foram culpados da morte de numerosos civis, mas que fizeram uma opção política a favor do Ocidente, hoje vivem tranqüilamente em mais de um país, e alguns inclusive continuam no poder”, indicou.

Por sua parte, a Duma, a Câmara dos Deputados da Rússia, se propõe a debater na quarta-feira um projeto de resolução que pede o adiamento da execução da sentença a Saddam Hussein pelo impacto negativo que pode ter para o país, já imerso na violência.

“O cumprimento dessa pena não só não resolve os problemas do povo iraquiano, mas pode gerar outros novos, e provocar ainda mais duros enfrentamentos, atos de vingança e hostilidade”, assinala a minuta da resolução, segundo a “Interfax”.

Fonte: EFE