Com participação em assembléias do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) na qualidade de observadora desde Nova Delhi, em 1961, a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil (IPIB) ingressou, agora, no organismo ecumênico internacional como membro pleno.

O pedido da igreja brasileira foi aceita pelo Comitê Central do Conselho, reunido de 13 a 20 de fevereiro em Genebra.

“Esperamos poder contribuir para o avanço do movimento ecumênico mundial”, declarou o presidente da IPIB, reverendo Assis Pereira, ao repórter Manuel Quintero, em Genebra. Desde os anos 60 do século passado um grupo de reformados procurou a afiliação ao CMI, o que só foi possível agora, com a aprovação pela assembléia geral da IPIB, praticamente por unanimidade.

“Talvez, em algumas ocasiões, minha geração tenha se sentido frustrada com a demora desse passo. Mas hoje entendo que era necessário um processo de sensiblização, uma maturação progressiva da nossa igreja, para alcançá-lo. É importante que essa decisão tenha ocorrido com um respaldo muito amplo, sem rupturas, com a consciência de que chegou o momento de assumir esse compromisso e de contribuir com o movimento ecumênico através do CMI”, disse Pereira.

A demora no processo de filiação da igreja presbiteriana brasileira deveu-se à força de certos “mitos” acerca do CMI e não por razões teológicas, uma vez que a IPIB está afinada com o ecumenismo e entende que a unidade é um pedido de Jesus. “Mas certa auréola de radicalidade que envolveu o CMI nos anos de 1960 e 1970 teve um impacto negativo em setores conservadores da nossa igreja”, que identificavam o CMI com esses mitos, explicou o líder religioso brasileiro.

Hoje, ao contrário do esfriamento do compromisso ecumênico de algumas igrejas históricas, a IPIB vive um momento de afirmação de seus princípios e do compromisso ecumênico, apontou Pereira.

Há anos, a IPIB vem participando de organismos ecumênicos como a Comissão Evangélica Latino-Americana de Educação Cristã (Celadec), da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (Cese), do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI). Ela foi uma das fundadoras da Aliança de Igrejas Presbiterianas e Reformadas da América Latina (Aipral) e da Aliança Reformada Mundial.

Fonte: ALC