A Igreja Renascer em Cristo divulgou nota nesta sexta-feira para contestar as declarações do promotor Marcelo Mendroni, do Ministério Público de São Paulo, que descobriu uma conta bancária no exterior em nome do apóstolo Estevam Hernandes e de sua mulher, a bispa Sônia Hernandes, fundadores da igreja.

No documento, os Hernandes ressaltam que a Renascer já acionou seus advogados no Brasil e nos Estados Unidos para as “devidas providências civis e criminais contra o promotor”.

Em reportagem divulgada ontem à noite no “Jornal da Globo”, da TV Globo, o promotor disse que os cerca de R$ 4 milhões encontrados na conta foram obtidos “de forma ilícita”, por meio de crimes –estelionato e falsidade ideológica– cometidos no Brasil. Segundo a reportagem, Mendroni chegou à essa conclusão porque o dinheiro era depositado em pequenas quantidades para não levantar suspeitas do fisco dos Estados Unidos.

“As declarações do promotor Marcelo Mendroni […] são mentirosas, difamatórias e elaboradas deliberadamente de maneira a induzir a erro a opinião pública”, diz a nota assinada pela “família Hernandes” e pela Renascer.

No documento, o casal explica que as “descobertas” do promotor constam nas declarações de Imposto de Renda da família Hernandes e nos depoimentos que Estevam e Sônia prestaram à Justiça americana. “E, apesar de constarem em documentos oficiais, os números foram maliciosamente manipulados e interpretados”, ressaltam.

Segundo a reportagem da TV Globo, o promotor descobriu uma conta no Wachovia Bank, na Flórida (EUA), em nome de Estavam, Sônia e de uma filha do casal: Fernanda Hernandes. Em quase seis anos, o casal depositou US$ 1.898.448,33, o equivalente a quase R$ 4 milhões.

“US$ 2 milhões de movimentação em seis anos. US$ 2 milhões são aproximadamente R$ 3,6 milhões. Isso, dividido em seis anos, 72 meses, dá uma média de R$ 50 mil por mês. É até ridículo achar que se lava dinheiro com essa quantia –ainda mais que, deste montante, devem-se descontar as despesas normais de hipoteca da casa, prestações diversas, alimentação, pagamento de empregados, remédios, seguros, impostos etc.”, justificou o casal na nota.

Prisão

Estevam e Sônia Hernandes foram condenados em agosto pela Justiça americana por entrar nos Estados Unidos com dinheiro não declarado. Eles vão cumprir 140 dias de reclusão, mais cinco meses de prisão domiciliar e mais dois anos de liberdade condicional.

O apóstolo cumpre primeiro a pena do período de reclusão, enquanto Sônia cumpre a prisão domiciliar. O juiz americano Federico Moreno decidiu dessa forma para que um possa cuidar da família enquanto o outro estiver cumprindo o período de reclusão. Além disso, a Justiça decidiu que cada um deverá pagar uma multa de US$ 30 mil.

Fonte: Folha Online