Anne Rice, autora de “Entrevista Com o Vampiro,” citou os sentimentos “antigay” e “antifeminista” dos cristãos como uma de suas razões para deixar a fé cristã.

A Igreja Unida de Cristo (UCC) está tentando fazer Anne Rice juntar-se ao seu rebanho após a autora de Entrevista Com o Vampiro ter anunciado sua decisão altamente difundida de “deixar de ser Cristã,” semana passada.

Poucos dias depois do anúncio de Rice, a UCC de 1,1 milhões de membros lançou a campanha “Você Gostaria da UCC, Anne Rice ” no Facebook para oferecer suporte à aclamada autora e apresentar a ela e a outros o corpo da Igreja historicamente liberal.

“Muitos de nós que somos Cristãos compartilhamos os valores de inclusão e razão de Anne Rice,” comentou o diretor de comunicação da UCC, o reverendo J. Bennett Guess, que iniciou a campanha no Facebook. “É importante que ela e os outros saibam que uma Igreja como a UCC existe.”

Nesta quarta-feira passada, Rice declarou em sua página de fãs no Facebook que “deixa de ser Cristã,” após achar “simplesmente impossível … ‘pertencer’ a este briguento, hostil, polêmico, e merecidamente grupo infame.”

“Por dez anos …, eu tentei,” a autora de 68 anos de idade, escreveu. “Eu não. Eu sou uma intrusa. Minha consciência não permitirá nada mais.”

Depois de ter crescido em um lar católico como uma criança que volta a Nova Orleans, Rice veio a rejeitar sua fé quando ela tinha 18 anos para ganhar a liberdade e a busca do conhecimento.

Em 1998, no entanto, após quase quatro décadas de negação a Deus, a “atéia Cristo-assombrada” por longo tempo retornou à Igreja Católica, dizendo que ela estava finalmente pronta para entregar-se a Ele.

Desde então, ela dedicou o seu tempo a escrever livros que são “diretamente a Deus e dedicados a Jesus Cristo,” em vez dos romances de vampiros em que ela ganhou fama e riqueza.

Embora algumas visualizações do anúncio de Rice como o abandono da autora de sua relativamente recente fé, Rice deixou claro no dia após seus comentários, de que sua fé em Cristo “é central para a minha vida.”

“Minha conversão de uma atéia pessimista perdida em um mundo que eu não entendia, para uma crente otimista em um universo criado e sustentado por um Deus amoroso é fundamental para mim,” ela esclareceu em sua página de fã no Facebook, quinta-feira.

Mas para a ex-autora de Vampiros, “seguir a Cristo não significa seguir os Seus seguidores.”

“Cristo é infinitamente mais importante que o Cristianismo, e sempre será, não importa o que o Cristianismo é, foi, ou poderia tornar-se,” concluiu.

À luz disto, o reverendo Geoffrey A. Black, ministro geral e presidente da UCC, estendeu a mão da denominação para Rice, anotando quantos no corpo da Igreja podem “compreender e apreciar a sua insistência em que ela deve seguir um Deus de amor, justiça e inclusão.”

“Estou certo de que o repúdio público de Anne Rice ao Cristianismo tem sido uma tarefa difícil, mas um passo, aparentemente, necessário para ela viver autenticamente como uma pessoa de fé e razão,” comentou Black em uma declaração pública de sexta-feira.

“Muitas vezes temos nos confundido em seguir a Cristo com a defesa da Igreja institucional, e nós temos, desnecessariamente, insistido que é preciso ser de uma mente, em vez de um só coração,” continuou Black, cuja denominação foi o primeiro principal corpo da Igreja a apoiar o casamento homossexual.

“Eu, juntamente com muitos na UCC, compartilhamos o compromisso de Anne Rice de um relacionamento pessoal com Cristo, que afirma a vida em sua plenitude e diversidade, não negando a sua realidade, por vezes, belas e complexas.”

A UCC, que gabou-se por sua inclusão, historicamente, tem favorecido a visão progressista ou liberal em questões sociais, tais como os direitos civis, direitos dos homossexuais, direitos das mulheres e do aborto.

Em 2005, a denominação tornou-se o primeiro grande corpo cristão nos Estados Unidos fazendo uma declaração de apoio aos “direitos iguais para todas as pessoas, independentemente do sexo.”

Desde a aprovação da resolução, no entanto, o corpo da Igreja tem assistido a uma queda grande de adesão.

Em 2000, a denominação perdurou por mais de 6.000 Igrejas. Em 2008, o ano de seu mais recente relatório anual, o corpo da Igreja alegou ser composta por cerca de 5.320 Igrejas.

Apesar de um declínio contínuo ser esperado, Black disse, no ano passado após a sua eleição, que o “grande sangramento acabou.”

O presidente recém-estabelecido também disse que acredita que a tendência pode ser revertida à medida que as Igrejas UCC dêem as boas-vindas aos imigrantes, às famílias monoparentais e às pessoas de cor.

Ele disse que há uma vontade “dentro do corpo da Igreja de ser uma vanguarda” de reintrodução às pessoas a um Deus que ainda fala.”

Além de Rice, a UCC está esperando que a sua mais recente campanha chegue aos outros que possam ter se desencantado com os estereótipos colocados sobre a Igreja.

“Esperamos que essas declarações tais como as de Anne desafiem e alterem as nossas definições de discipulado cristão e, no processo, alterem a própria Igreja,” afirma Black.

Black, que foi empossado como presidente da UCC e ministro geral em abril, assumiu oficialmente o comando da denominação, em outubro do ano passado.

[b]Fonte: Christian Post[/b]

Notícia relacionada: [url=http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=14308]Autora de ‘Entrevista com o vampiro’ anuncia que deixa a igreja[/url]