O plano de educação socialista proposto pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, preocupa a Igreja Católica no país.

“A educação na Venezuela, assim como deseja o presidente Chávez, não é somente causa de preocupação, mas constitui um perigo para a democracia, e também uma agressão aos direitos universais”, declarou, na quinta-feira, Pe. Pedro Freites, reitor do Pontifício Colégio Venezuelano, de Roma.

Pe. Freites sublinhou ainda, que se trata de uma tentativa de impor um sistema educativo hegemônico que, ao invés de educar, faz uma lavagem cerebral nas crianças e nos jovens.

“A educação bolivariana não consta na proposta de Chávez, que é de cunho marxista-leninista, sendo ainda contrária aos valores cristãos e evangélicos” _ ressaltou Freites.

O reitor sublinhou ainda, que a Igreja venezuelana deve cumprir sua missão de “garantir uma educação livre, integral e pluralista, além de lutar pela defesa dos direitos humanos”, finalizou Pe. Pedro Freites.

Fonte: Radio Vaticano