A congregação metodista “Sola Gracia Dilarang Beribadah”, localizada na província de Banten, na Indonésia, cancelou o culto dominical do dia 22, pressionada por multidão que irrompeu o salão da igreja. A ação foi comandada por grupos civis contrários à presença de comunidades cristãs no país.

No domingo, por volta das 8h30, um grupo de pessoas em 20 motocicletas chegou à igreja durante o culto e pediu que o serviço fosse cancelado. Segundo relatórios, a multidão gritava: “esta é uma igreja também, queimemo-la!”. A congregação utiliza um “ruko”, espécie de barracão, para a celebração dos cultos dominicais.

O incidente teve início às 7h30, quando a multidão interrompeu o serviço em igreja católica vizinha. Da igreja católica foram até a igreja metodista. Depois de uma longa negociação foi permitido que o culto fosse encerrado às 9 horas. Segundo os manifestantes, Sola Gracia não tem permissão válida para celebrar os cultos. Este é o segundo incidente ocorrido nessa comunidade.

O incidente anterior havia sido protagonizado meses antes, em uma congregação de Bandung Timur, na província de Java Ocidental. Em dezembro, mulheres metodistas tiveram que transferir o serviço médico gratuito para a comunidade de Parung Panjan, também em Bantem, porque havia rumores de que elas tentavam evangelizar os pacientes através do serviço comunitário.

O líder da comunidade Sola Gracia, Paw Liang, assegurou que a permissão de culto será obtida imediatamente após a conferência anual, agendada para o início de julho, junto com outras congregações. “Oremos para que nossa congregação obtenha a permissão de culto sem maior dificuldade”.

Na realidade, a nova regulamentação favorece as igrejas mas, às vezes, é o povo quem tem o poder e não o governo. Neste caso, a polícia pouco pode intervir. A força de segurança informou a Sola Gracia sobre a chegada da multidão, mas não havia muito a fazer.

Fonte:ALC