As igrejas do norte do Sudão, que é de maioria muçulmana estão tentando tranquilizar suas congregações de que estarão seguros caso haja uma separação do sul. Os cristãos que temem uma repressão estão deixando seus rebanhos.

As principais igrejas no norte estão resolutas de que permanecerão apesar da secessão esperada do sul, em um plebiscito previsto para dividir o maior país da África. Os sulistas são na sua maioria cristã ou seguem religiões tradicionais. O norte é de maioria muçulmana e está sob a lei islâmica desde 1983.

“Mesmo se houver apenas uma esquerda cristã no norte do país, estaremos aqui porque o pastor não pode abandonar o seu rebanho”, disse o cristão Quintino Okeny Joseph, vigário geral da Arquidiocese de Cartum.

O referendo que aconteceu durante uma semana e culminará de um acordo de paz de 2005 entre o norte e o sul. Ele terminou a mais longa guerra civil da África, travada principalmente entre o norte muçulmano e árabe do Sudão e do sul.

A igreja católica sudanesa enfrentou o seu período mais difícil, segundo Joseph.

Ele disse que o governo não reconhecer seus certificados de casamento e confiscaram o Clube Católico [tradução livre] – um grande número de visitantes entra a partir do aeroporto de Cartum.

“Agora as coisas estão melhores, a liberdade de culto está lá – se permanecer desta forma e os cristãos no norte do país forem respeitados, ficaremos bem”, disse Joseph.
Mas os cristãos – a maioria dos quais são sulistas – tem se assustado com os comentários do presidente Omar Hassan al-Bashir, sobre a implementação da lei islâmica ser reforçada no norte após a separação.

“Quando você lê a notícia, o medo vem”, disse o reverendo anglicano Emanual Natania. “A questão é ouvir dos líderes que decidiram que a lei sharia será a lei do estado. Como cristão isto mexe com você de modo que tem medo.”

Cartum tem dezenas de igrejas por toda a cidade, muitos em posições de destaque como em terras principais.

Na missa de domingo, na Catedral Anglicana, apenas 50 cristãos apareceram. No que foi também o primeiro dia de votação, dia 09 de janeiro, um quarto da congregação habitual na maior parte do sul compareceu. Dados da ONU dizem que 2.000 repatriados sulistas chegam a cada dia no sul.

“Alguns deles têm ido para o sul votar e voltar, alguns partiram e não voltam. Muitos destes estão preocupados com o futuro”, disse o reverendo Hassan El Fil.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas
[/b]

COMPARTILHAR
Comentários
Artigo anteriorSetenta vezes sete?
Próximo artigoTensão recomeça e estoura em Jos