Até as igrejas entraram no combate à dengue em Mato Grosso do Sul. Só neste mês foram registrados 12 mil casos da doença no estado, que vive uma epidemia.

Durante as missas, os padres de Campo Grande alertam fiéis sobre os perigos da doença. De acordo com um religioso, é papel da Igreja exercer seu lado social e convocar seus cristãos e devotos para participar do combate à dengue.

Acabar com a doença não é nada fácil. Por isso, mais de 2.000 pessoas estão envolvidas em mutirões em Mato Grosso do Sul. O principal obstáculo são as casas fechadas, sem moradores. Segundo a prefeitura de Campo Grande, mais de 40 mil imóveis estão abandonados. Agora, a Justiça do Estado autorizou os agentes de saúde a entrar nas casas e acabar com os criadouros da dengue. Três chaveiros foram contratados pra facilitar o acesso aos imóveis.

O estado concentra hoje 74% dos casos registrados em todo o Brasil. São 12.308 notificações só no mês de janeiro. Campo Grande e Aquidauana vivem uma epidemia _duas pessoas já morreram vítimas da dengue hemorrágica, uma mulher de 36 anos e um homem de 50.

Setenta e cinco floriculturas de Campo Grande estão na mira da Vigilância Sanitária. Uma delas foi fechada porque os fiscais encontraram larvas do mosquito. A dona já havia sido alertada antes, mas não tomou providências.

Sintomas

A dengue é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Os principais sintomas são febre alta, dores no corpo, perda de apetite, cansaço e manchas vermelhas pelo corpo.

A melhor maneira de combater a doença é acabar com os focos do mosquito, que se reproduz na água parada.

Fonte: Gazeta On line