O tráfico de drogas no México está surtindo efeitos que vão além das consequências ‘comuns’ da prática, como o aumento da violência e da dependência química – já conhecidas por todas as sociedades que tentam combater este tipo de crime. Atualmente, muitas igrejas também estão se tornando alvo de narcotraficantes nas cidades mexicanas.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/media.guiame.com.br/archives/2017/03/13/945210213-protesto-mexico.jpg[/img]Segundo um casal cristão, que lidera uma igreja no Estado de Morelos, cartéis de drogas estão cobrando “taxas” para que sua congregação e também outras continuem funcionando. As informações foram repassadas a um missionário e representante da Missão Portas Abertas no país.

“Ter que pagar aos cartéis de drogas para manter a igreja aberta tem sido algo muito comum nessa região”, explicou o líder da igreja, que já trabalha no México há mais de 15 anos e não teve o seu nome revelado por questões de segurança.

Apesar dessa forma de extorsão ser “comum” em diversas cidades do país, o líder cristão alertou que as denúncias são rejeitadas.

“De acordo com funcionários do governo, apenas 10% dos casos são formalmente levados ao tribunal. E essa é a ameaça mais significativa para a vida da igreja mexicana”, disse o colaborador da Portas Abertas.

[b]Sequestros[/b]

Além da extorsão, há também os sequestros – outra ameaça que tem amedrontado muitos cristãos.

“Essas atividades criminosas têm sido a maior fonte de renda dos traficantes e tem assustado os cristãos. Assisitir a um culto é uma prática perigosa. Os adoradores de Jesus também correm o risco de serem atacados violentamente a qualquer momento. Já existem áreas onde os cultos da igreja já não são mais permitidos”, alertou ele o missionário.

O colaborador da Missão Internacional também afirmou que a repressão dos narcotraficantes está causando até mesmo o fechamento de igrejas.

“Muitas igrejas já foram fechadas por ordem dos cartéis de drogas e há relatos de pessoas que foram obrigadas a informá-los sempre que visitam determinadas igrejas. Pregar o evangelho em lugares onde o crime organizado tem vantagem é realmente um empreendimento muito arriscado. Falar contra a injustiça, seja publicamente ou do púlpito pode resultar em várias formas de intimidação, até mesmo espancamentos, ataques a casas ou igrejas e assassinatos”, explicou.

De acordo com fontes locais, na última década, cerca de 31 líderes cristãos já foram assassinados no México, possivelmente a mando do crime organizado.

[b]Fonte: Guia-me[/b]