Cristãos reunidos para o culto da manhã de domingo na Igreja de Filadélfia, em Nawapada, distrito de Barwani (também conhecido como Badwani), a sudoeste do estado de Madhya Pradesh, foram o alvo do grupo Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) em 28 de janeiro.

O tumulto e os gritos de uma mulher, a primeira a ser espancada, chamaram a atenção da vizinhança hindu que saiu em socorro aos cristãos. Reunidos em grande número, eles forçaram os homens da RSS a bater em retirada. Apesar disso, durante o ataque, três jovens cristãs – Bablu, Guman e Sushil – desapareceram.

Temia-se inicialmente que as três tivessem sido seqüestradas, mas depois de uma longa busca elas foram encontradas no posto policial de Barwani, onde a RSS abriu uma queixa de conversão religiosa forçada. Quando se pediu para que elas saíssem, o oficial de polícia insistiu que elas não poderiam ser liberadas até que as investigações fossem concluídas. Além disso, a RSS levou até lá mais dois cristãos, insistindo na mesma acusação. Foi então que os pastores Hatey Singh e Raju entraram em contato com a Portas Abertas e pediram ajuda.

Portas Abertas fez contato com o superintendente de polícia de Barwani, que escutou o relato detalhado do caso de forma imparcial. Ele tomou as providências necessárias e por volta das 20h30, todos os cinco haviam sido soltos. Contudo, os cristãos que estiveram no posto policial contaram que o superintendente os “proibiu” de batizar pessoas e os instruiu a levar as pessoas ao templo hindu de Gayatri Mandir, sempre que quiserem ajudar alguém. Além disso, exigiu que eles orassem não mais no “nome de Jesus” e sim em nome de uma deusa hindu.

O Evangelho em Barwani e nas áreas próximas de Jhabua e Nimad tem se expandido. Grande parte da população tribal, de fé animista, aceitou Jesus. Isso chamou a atenção de grupos de defesa do nacionalismo hindu contra as populações cristãs. Eles lutam para trazer essas comunidades de volta ao hinduísmo. Cristãos que vivem em Barwani, Jhabua e Nimad temem por suas vidas enquanto os hindus dão demonstrações massivas de sua força. Eles promovem grandes reuniões em que há cerimônias de reconversão para forçar os novos crentes a voltarem à religião de seus ancestrais.

O pastor Abraão, da Assembléia de Deus, foi ameaçado por fundamentalistas na quarta-feira, dia 24 de janeiro, em Harpanahalli, no distrito de Davangere, Estado de Karnataka. Ele foi obrigado a cancelar o culto de domingo e ameaçado de sofrer duras conseqüências, caso desobedecesse à ordem.

Repressão em Karnataka

O pastor Abraão foi informado, no dia 22 de janeiro, que um grupo radical hindu que opera na área decidiu reprimir de forma intensa a comunidade cristã de Harpanahalli (leia mais).

M. Subbarao, um cristão que trabalha como mecânico, foi severamente espancado na quarta-feira de manhã, dia 24. Os extremistas hindus informaram o pastor do incidente e alertaram para que ele não ajudasse Subbarao, que estava mantido sob a custódia da polícia.

A congregação se reuniu na sexta-feira, 26 de janeiro, e decidiu coletivamente suspender o culto até que as circunstâncias se normalizem. O pastor exigiu proteção policial durante o culto de domingo e pela graça de Deus, não houve qualquer interrupção.

A situação parece mais calma em Harpanahalli nesse momento. O pastor Abraão formalizou uma queixa contra homens não identificados que o ameaçaram. A polícia o está apoiando e disse que irá ajudá-lo, caso necessite. Subbarao está se recuperando das escoriações que recebeu quando foi espancado pelos membros do RSS. Ele e sua esposa foram para a sua cidade natal em Vijaywada descansar alguns dias.

Fonte: Portas Abertas