Uma indiana de 60 anos, da religião jainista, morreu em Jaipur, no norte da Índia, após rejeitar qualquer alimento ou bebida e entregar sua vida seguindo um rito chamado “Santhara”, informa hoje a imprensa local.

A tradição, que na prática equivale a uma eutanásia por inanição, é observada em casos extremos, quando o crente sente a necessidade de morrer de um modo pacífico e contemplativo, afastando-se pouco a pouco de tudo o que represente um laço com o mundo terreno.

Vimla Devi, que tinha sido diagnosticada com um câncer cerebral, anunciou sua escolha a seu marido e filhos. Eles só tentaram convencê-la a abandonar o jejum depois de comprovar que a deterioração na sua saúde estava se tornando irreversível.

Após um jejum que, segundo algumas testemunhas, durou 22 dias, Vimla morreu nesta quinta-feira. Seu corpo fragilizado foi exibido vestindo um colorido sari. Seus vizinhos desfilaram diante dela para oferecer suas últimas homenagens.

A Santhara, parte da tradição jainista, permite que um crente que decida morrer mostre a sua santidade através do desapego pelo mundo.

Mas a prática é rara e o caso de Vimla Devi reacendeu a polêmica sobre a legalidade de deixar alguém se matar por motivos religiosos.

A morte da mulher levou à abertura de uma investigação para verificar se algum de seus parentes ou as autoridades locais têm alguma responsabilidade criminal.

A religião jainista, com 4 milhões de seguidores na Índia, foi fundada no século VI. Ela prega a não violência, o jejum e a mortificação como formas de se aproximar da divinidade. Além disso, condena o assassinato de qualquer ser vivo, mesmo insetos e bactérias.

Fonte: EFE