Sem levantar bandeiras religiosas, o documentário não condena as mulheres que praticaram o aborto, mas, ao contrário, considera que elas também são vítimas de uma indústria milionária que cobra de mil a 1,5 mil dólares por cada aborto.

O filme Blood money – aborto legalizado, cuja defesa é, acima de tudo, pela vida, é uma produção norte-americana independente, assinada pelo diretor David Kyle, que será lançado nesta sexta-feira (15) nos cinemas do Brasil e que disseca a indústria do aborto e suas graves consequências, revelando a experiência prática em um país onde ela é legalizada há 40 anos.

Sem levantar bandeiras religiosas e com argumentos científicos de que “a vida humana inicia no momento da concepção” e “mãe e feto são dois indivíduos independentes e distintos”, o documentário não condena as mulheres que praticaram o aborto, mas, ao contrário, considera que elas também são vítimas de uma indústria milionária (e legal), que pratica de 20 a 30 abortos por hora, sendo cobrados de mil a 1,5 mil dólares por cada um, um verdadeiro “massacre sancionado”. Tal indústria é personificada pela Paternidade Planejada (Planned Parenthood), um dos maiores distribuidores de recurso de controle de natalidade dos EUA. De acordo com o Dr. Brian Clowes, da Human Life International, a empresa falha dois milhões de vezes por ano. “É uma [img align=right width=300]http://img2.ne10.uol.com.br/repositorio/noticia/24c693b8439ae8aeb1573becadc0367e.jpg[/img]maravilhosa forma auto-realimentada de se vender um produto. Ele falha e oferece às mulheres o aborto para corrigir as falhas dos produtos que eles mesmos vendem”, denuncia Clowes.

Blood money – aborto legalizado traz depoimentos de mulheres que foram coagidas e pressionadas a praticar o aborto e que, após a intervenção cirúrgica, são tomadas pela vergonha, medo, angústia, vazio e depressão. Mulheres como Kelly, Lisa, Judy, Angele, Dana e Katlynn, quando não ficam com problemas no aparelho reprodutivo, passam por transtornos psicológicos e emocionais. “Todos temos um momento em que percebemos que somos mães e matamos nossas crianças”, confessa uma delas.

O documentário é narrado pela cientista e ativista de movimentos negros dos EUA, Alveda C. King, sobrinha do pacifista Martin Luther King e envolvida em discussões sobre o mecanismo de controle racial nos EUA. De acordo com Dra. Alveda, o maior número de abortos é realizado nas comunidades afroamericanas. “A maioria das mulheres não praticaria o aborto se soubesse que está matando um indivíduo”, alerta a médica, já que, para a indústria do aborto, aquela vida intrauterina – que tem digitais e batimentos cardíacos de 176 bpm, com direitos inalienáveis garantidos pela Constituição Federal – é considerada apenas um “coágulo” ou “produto da concepção”.

Entre os depoimentos mais chocantes está o de Carol Everett (foto ao [img align=left width=300]http://produtos.ne10.uol.com.br/saojoao/wp-content/uploads/2013/11/carol_everett_470.jpg[/img]lado), que colaborou com 35 mil abortos, foi responsável pela morte de uma mulher e pela histerectomia (retirada do útero) de outras 19. Ela fala sobre as condições insalubres das clínicas de aborto, do despreparo da equipe médica e de como os bebês – após serem mortos, aspirados e destroçados – eram despejados junto com o lixo comum. O médico Bernard Nathanson, responsável por 75 mil abortamentos, explica as reações do bebê enquanto está sendo massacrado dentro do útero da mãe.

Segundo Luís Eduardo Girão, diretor da Estação Luz Filmes, que junto com a Europa Filmes lança a produção no Brasil, esta é a primeira vez que o cinema tira o aborto da invisibilidade. “No momento em que a mídia nacional começa a discutir o assunto, acreditamos que vá atrair diversos segmentos sociais e pessoas sensíveis à questão, sejam elas contra ou a favor da legalização do aborto no Brasil”.

[b]NO BRASIL
[/b]
O aborto é considerado crime contra a vida humana pelo Código Penal Brasileiro, de 1984. Apenas não é ato criminoso quando praticado por médico capacitado em três situações: risco de vida para a mulher causado pela gravidez, gravidez resultante de estupro ou se o feto for anencefálico.

[b]Fonte: NE10[/b]