Carlos Hutahaean, presidente do Movimento de Estudantes Cristãos (GMKI), em Jacarta, na Indonésia, foi agredido na semana passada por pessoas ligadas a um órgão público.

Crisman Siregar, da Ordem Pública, e seus amigos tiveram um bate-boca com Carlos, em 9 de setembro. Crisman, então, ameaçou esfaquear Carlos com sua baioneta.

Em ocasião anterior, Crisman falou para Carlos “tomar cuidado com sua vida”.

O caso gira em torno de uma disputa sobre a posse de um terreno, registrado como propriedade da GMKI, mas atualmente ocupado por uma empresa privada, a Kencana Indotama Persada.

Ameaças de morte

Os membros da equipe da GMKI se reuniram em 9 de setembro para discutir essa questão. Durante a reunião, dois carros da Ordem Pública chegaram ao local e seis homens entraram na propriedade, rasgando as faixas que a GMKI havia pendurado.

As faixas, de frente para uma rua movimentada, protestavam contra a venda do terreno e acusavam o pessoal da Ordem Pública de organizar os ataques de agosto.

Quando Carlos e outros membros da equipe tentaram impedi-los, Crisman sacou a baioneta e ameaçou esfaqueá-lo. Seguindo as ordens de Crisman, os outros integrantes da Ordem ameaçaram matar os membros da GMKI.

Os integrantes da Ordem danificaram o mobiliário do lugar.

Os membros do GMKI relataram o incidente à polícia, que chegou assim que os agressores saíram. Mas os policiais disseram que seria difícil fazer acusações contra Crisman, uma vez que ele não chegou a usar a baioneta.

Fontes dizem que a Ordem Pública se beneficiaria financeiramente ao proteger os interesses da empresa Kencana Indotama Persada.

Fonte: Portas Abertas