Num histórico de conflitos, de cristãos e muçulmanos combatendo-se mutuamente, a Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU) entende como “inoportuna e inadequada qualquer referência crítica às figuras centrais do cristianismo e do islamismo, em especial o profeta Maomé”.

Em nota divulgada na sexta-feira, 22, a IPU reporta-se, sem no entanto mencioná-lo explicitamente, ao pronunciamento do papa Bento XVI, em Regensburg, Alemanha, no dia 12, que deixou setores do islamismo muito irados. “O debate entre as duas religiões, comum no passado, deve dar lugar a um diálogo construtivo que leve ao entendimento e à busca de bandeiras de luta comuns para o presente e o futuro”, recomenda a igreja brasileira.

De tempos em tempos, lembra a nota assinada pelo moderador da igreja, reverendo Manoel de Souza Miranda, as diferenças entre as duas religiões têm sido utilizadas para justificar conflitos armados, perseguições e até massacres, “cuja verdadeira motivação, mais do que a religião, são interesses de natureza política ou econômica”.

A IPU frisa que conflitos semelhantes ocorrem no seio das duas religiões, com cristãos combatendo cristãos e muçulmanos combatendo muçulmanos em nome de divergências doutrinárias.

“Condenamos o uso da força como forma de convencimento de outrem”, de modo particular, para converter alguém a qualquer religião. A IPU pede que o Conselho Mundial de Igrejas (CM) envide todos os esforços para promover o diálogo, principalmente entre as três religiões monoteístas, “tendo como fundamento o respeito à diversidade, à liberdade, o fim da miséria no mundo, o fim da dominação de um povo sobre outro”.

Nesta segunda-feira, 25, o papa Bento XVI encontrou-se, em Castelgandolfo, com 22 embaixadores de países de maioria islâmica acreditados junto à Santa Sé e 16 representantes de entidades religiosas muçulmanas na Itália, quando destacou a estima e o respeito que tem por todos os crentes seguidores de Maomé.

O papa frisou, no encontro por ele convocado, que “o diálogo inter-religioso e intercultural entre cristãos e muçulmanos é uma necessidade vital da qual depende, em grande parte, o nosso futuro”. A rede de televisão Al-Jazira, que tem grande audiência entre os muçulmanos, transmitiu a cerimônia, de meia hora, ao vivo.

“As circunstâncias que suscitaram esse encontro são bem conhecidas”, começou o papa , reconhecendo que “na situação em que se encontra o mundo, é um imperativo para cristãos e muçulmanos comprometer-se para enfrentarem juntos os numerosos desafios com que a humanidade se depara, de modo especial no que concerne à defesa e promoção da dignidade do ser humano e aos direitos que dela derivam”.

A IPU foi criada em 1983, em Vitória, no Espírito Santo. Ela integra o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) e em, entre os seus propósitos, promover a unidade e a comunhão de todos os cristãos, e desenvolver e participar de ação concreta visando a justiça, a paz, a promoção do ser humano e da vida.

Fonte: ALC