Enquanto a causa é apoiada pelos principais partidos políticos da Irlanda, a Igreja Católica e os conservadores defendem o ‘não’.

Os eleitores irlandeses vão às urnas nesta sexta-feira decidir se legalizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

É a primeira vez que um país realiza um referendo para decidir sobre a legalização desse tipo de união no mundo.

A opção pelas urnas difere da de outros países do mundo, como o Brasil, onde o enlace entre casais do mesmo sexo foi decidido por votação no Parlamento ou por decisão judicial.

O referendo vem dividindo o país. Enquanto a causa é apoiada pelos principais partidos políticos da Irlanda, a Igreja Católica e os conservadores defendem o ‘não’.

Bastante conhecida dos irlandeses, a personagem Mrs Brown, interpretada pelo comediante Brendan O’Carroll, fez um vídeo pedindo o voto ‘sim’ no referendo.

O senador Rónán Mullen é um dos poucos parlamentares a defender abertamente o ‘não’ e diz acreditar pertencer a uma ‘maioria silenciosa’.

“Talvez isso aconteça porque muitos irlandeses têm medo de serem julgados, de serem taxados de homofóbicos ou intolerantes, só porque querem votar a favor do direito de uma criança a ter um pai e uma mãe. Essas pessoas não são contra os homossexuais e não são contra a união civil, que já existe”, argumenta Mullen.

“Essas pessoas serão soberanas nas urnas e espero que haja votos suficientes para rejeitar essa proposta”, acrescenta o parlamentar.

A relação homossexual só foi descriminalizada em 1993 no país. Ativistas afirmam que, por causa disso, a legalização do casamento gay por meio de uma votação popular constituiria uma mudança importante para a Irlanda.

[b]Fonte: BBC Brasil[/b]