A delegação do governo de Israel, que deveria participar no Vaticano em reuniões com a Santa Sé sobre a aplicação dos mútuos acordos, cancelou sua presença por causa da situação política internacional.

A Sala de Imprensa do Vaticano respondeu com um comunicado no qual se mostra compreensão ante as razões aduzidas para o cancelamento da reunião plenária da Comissão Bilateral Permanente de Trabalho entre a Santa Sé e o Estado de Israel, prevista para 29 de março, mas pede que Israel agende quanto antes um novo encontro.

Na reunião, os representantes de Israel e da Santa Sé deviam tratar de questões relativas à aplicação do Tratado Fundamental («Fundamental Agreement»), assinado em 30 de dezembro de 1993, que permitiu estabelecer as mútuas relações diplomáticas.

O último encontro dos negociadores nesse âmbito se celebrou há cinco anos. Desde então, as negociações haviam avançado esporadicamente «no âmbito de trabalho».

Segundo o Vaticano, em 26 de março, «a delegação israelense comunicou a impossibilidade de participar da reunião por causa das condições políticas internacionais».

«A Santa Sé, ainda que compreenda as razões, constatou esta circunstância com pesar e espera poder agendar quanto antes com a parte israelense a nova data da convocação da reunião plenária», declara o comunicado.

As negociações buscam alcançar um acordo sobre todas as questões de propriedade e impostos que estão pendentes para que a Igreja possa contar com a segurança jurídica e fiscal que lhe permita realizar seu trabalho.

Quando a Santa Sé estabeleceu relações diplomáticas com o Estado de Israel em 1993, João Paulo II optou por propor um «Acordo fundamental» e negociar mais tarde estas questões em detalhe para demonstrar sua confiança nas autoridades israelenses.

Fonte: Zenit