O Ministério de Turismo israelense e o Vaticano assinaram um acordo para aumentar a presença de peregrinos cristãos na Terra Santa nos próximos anos, através de vôos da companhia aérea italiana Air Mistral, informou hoje o diário israelense “Yedioth Ahronoth”.

“Temos um acordo comercial com a companhia aérea para aumentar a ida dos jovens a Israel, pois a Igreja Católica quer aproximá-los da religião”, anunciou a diretora do Escritório israelense de Turismo em Milão, Suzan Kalgesbrun.

Graças a um acordo com a Air Mistral, a Obra Romana de Peregrinações (ORP), que opera como agência de viagens do Vaticano, inaugurou ontem, segunda-feira, uma excursão ao santuário francês de Lourdes, seu primeiro vôo charter aos principais pontos de peregrinação católicos.

O Vaticano espera que o acordo com a companhia aérea possibilite aos peregrinos viajar a lugares como Lourdes, Fátima, Santiago de Compostela e Jerusalém.

Segundo a funcionária israelense, seu escritório na Itália projetou uma série de viagens dirigidas a peregrinos católicos e seculares, dentre as quais se incluem visitas a locais cristãos históricos e pontos turísticos como Tel Aviv, assim como aos complexos hoteleiros do Mar Morto.

Kalgesbrun disse ter encontrado uma boa resposta no Vaticano, e afirmou que ambos os estados trabalham para organizar uma série inicial de 60 vôos, com 190 passageiros cada.

A ORP organiza viagens aos principais locais de peregrinação do mundo, e no ano passado levou 130 mil pessoas a Lourdes, e outras 7 mil a Jerusalém O turismo em Israel vem voltando a crescer, após vários anos de crise, por causa da segunda Intifada, que começou em setembro de 2000.

O Ministro de Turismo israelense, Isaac Herzog, pediu em janeiro ao Papa Bento XVI que oferecesse estímulos aos católicos para que visitassem os lugares santos em Israel.

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, convidou o Papa Bento XVI a visitar Israel durante uma audiência realizada em dezembro de 2006, na qual o Pontífice lhe confirmou seu desejo de viajar ao país.

Fonte: EFE