Habituados a impor uma severa separação entre os sexos por motivos de “decência”, três rabinos israelenses criaram um precedente quando proibiram categoricamente a passagem de mulheres judias em um beco de Bené Brak, subúrbio ultra-ortodoxo de Tel-Aviv, informou a agência Ansa.

Alarmados pela grande concentração de passantes observada na estreita rua Shach, os rabinos Yehuda Leib Landau, Nissim Karelitz e Shmuel Halevy Wazner declararam que, nas condições atuais, as mulheres que atravessam aquela rua não podem evitar esbarrarem nos passantes masculinos. Por isso, seria preferível que elas utilizassem uma rua vizinha.

Fontes locais acrescentam que o problema agravou-se recentemente, quando os comerciantes da rua começaram a expor suas mercadorias nas calçadas, restringindo ainda mais o espaço para circulação dos passantes.

“As mulheres grávidas ou um pouco acima do peso dificilmente podem percorrer a rua por inteiro sem esbarrar em passantes do sexo oposto”, afirmou um negociante.

Um porta-voz do município de Bené Brak rebateu dizendo que a proibição publicada pelos rabinos “complica as coisas”, porque as mercadorias vendidas na rua Shach têm preços muito econômicos e, por isso, são particularmente adequadas para aquelas mulheres que lutam para sobreviver com um modesto orçamento familiar.

Fonte: Terra