Na última terça-feira (20), deputados estiveram em Reunião Deliberativa Ordinária, para mais uma sessão da CPI de Crimes Cibernéticos, na Câmara Federal.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/top/smart/media.guiame.com.br/archives/2015/10/21/3528524161-jean-wyllys.jpg[/img]A sessão foi marcada pela acusação do coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubens Alberto Gatti Nunes, que criticou o Colegiado e o acusou de tentar cercear a liberdade de expressão da juventude.

Ele declarou que se sente “perseguido e constrangido” pela Comissão e a razão desta perseguição seria seu posicionamento contrário ao PT e ao governo.

“A CPI dos Crimes Cibernéticos tem de procurar estelionatários, pedófilos, criminosos, traficantes e não buscar calar um movimento social”, afirmou.

[b]Jean Wyllys na “oposição”
[/b]
Porém, um outro momento marcou a sessão da última segunda-feira, quando o deputado Jean Wyllys (PSol – RJ) iniciou sua palavra, dizendo que é “apartidário” sobre este tema investigado pela CPI e faz “oposição ao governo Dilma e à esquerda”.

As gargalhadas dos parlamentares presentes foram audíveis incomodaram o parlamentar.

“Eu peço respeito. Do contrário, vou pedir que a segurança retire todos daqui”, reagiu Wyllys.

Logo após, o deputado Marco Feliciano (PSC – SP) respondeu a Wyllys, afirmando que “respeito não se pede, respeito se recebe” e foi aplaudido por diversos deputados presentes.

Clique no vídeo abaixo para conferir:

A reação dos deputados ao ouvirem a afirmação de Jean Wyllys talvez tenha explicação no fato de o parlamentar filiado ao PSol declarar publicamente seu apoio à candidata Dilma Rousseff (PT) nas eleições presidenciais, em 2014. O PSol também confirmou seu apoio à candidatura da petista.

A relação de parceria entre Wyllys e Dilma foi confirmada publicamente pelo parlamentar nas mídias sociais, além de algumas fotos específicas terem sido usadas pelo PSol em seu site oficial, durante a campanha em 2014.

#JeanWyllysNaoMeRepresenta
Após confirmar seu apoio à Dilma nas mídias sociais, junto a uma foto com a candidata petista, jovens de todo o Brasil (cristãos e não-cristãos) se manifestaram, usando a hashtag #JeanWyllysNaoMeRepresenta e levaram a marcação ao topo da lista de assuntos mais falados no twitter, em agosto de 2014.

A foto foi tirada dias antes da hashtag viralizar, durante um evento no qual Wyllys foi convidado por Dilma para participar de um evento para a juventude, na Zona Leste de São Paulo.

“Tenho o compromisso de lutar contra a discriminação da juventude negra neste país, contra os autos de resistência, contra esse morticínio, assim como eu tenho compromisso de lutar contra violência que motiva a mulher, assim como contra a homofobia, temos de criminalizar a homofobia”, disse.

“Desculpa aí, MAL! Eu estou apoiando a campanha da Dilma e ela assumiu compromissos programáticos, sim! Não para mim, mas para o bem do povo. E tem mais: ela vai vencer!Aceite que doi menos”, acrescentou Wyllys ironizando com o nome do pastor Silas Malafaia.

[b]Fonte: Guia-me[/b]