“Não estou surpreso com a velocidade do processo”, disse o cardeal suíço Georges Cottier.

O falecido papa João Paulo 2º se tornará santo rapidamente, logo após ser beatificado no domingo (1º), ainda que precise ser identificado um milagre atribuído a ele, explicou um ex-conselheiro.

“O trabalho já está pronto para a canonização”, disse o cardeal suíço Georges Cottier à agência de notícias religiosa I.Media, em entrevista publicada nesta terça-feira.

“Nós precisamos apenas de um milagre e de uma decisão do papa (Bento 16)”, disse Cottier, de 89 anos, que foi teólogo da casa papal de João Paulo 2º por 15 anos até a morte do pontífice polonês, em 2005.

“Não estou surpreso com a velocidade do processo”, disse, descrevendo João Paulo 2º como “um homem de Deus”.

A partir de domingo, João Paulo 2° ficará conhecido como “beato”, um título que exige a confirmação de um primeiro milagre, no caso dele, a recuperação de uma freira francesa do mal de Parkinson, que os médicos não conseguiram explicar.

A freira, Marie Simon-Pierre, disse que o falecido papa atendeu a suas preces.

Segundo as regras estritas da Igreja Católica Romana sobre a canonização, o procedimento não é normalmente iniciado até cinco anos depois da morte do candidato a santo.

Mas o próprio João Paulo 2º conseguiu acelerar o processo para a religiosa albanesa madre Teresa, que foi beatificada em 2003, apenas seis anos depois de sua morte.

Seu próprio dossiê foi iniciado logo após a sua morte, em 2005, quando em seu funeral seus simpatizantes exibiam faixas com os dizeres “Santo Subito” (Santidade imediata).

Além disso, Cottier afirmou que alguns cardeais “assinaram uma carta pedindo ao futuro papa que começasse o processo de beatificação o mais rápido possível”.

[b]Fonte: Folha Online[/b]