Um dos pontos mais importantes que os conselheiros de John McCain estão a tentar aprofundar é a relação com a comunidade cristã conservadora, em particular a evangélica, que representa cerca de um quarto da população americana.

Agora que já sabe contra quem vai ter que competir na corrida à Casa Branca, começa a aumentar o ritmo da campanha do senador republicano.

Tradicionalmente este sector alia-se ao partido republicano. Nas últimas duas eleições presidenciais, George W. Bush apelou fortemente ao voto religioso e evangélico. O resultado é que perto de 80% destes votaram em Bush.

Contudo, Bush tinha uma vantagem em relação a McCain. A forma como falava da sua fé pessoal, a firmeza com que proclamava as suas opiniões sobre questões fracturantes como o aborto, a eutanásia ou o “casamento” entre homossexuais, ajudaram a mobilizar as hostes.

McCain, por outro lado, opôs-se a uma medida para banir as uniões entre homossexuais a nível federal, embora tenha apoiado uma proposta idêntica para o seu estado. Embora tenha votado sempre contra o aborto durante a sua vida política, não se tem envolvido de forma apaixonada no debate e apoia a investigação com células estaminais embrionárias.

Quando questionado sobre a sua fé pessoal, o senador tende a repetir uma história sobre os seus tempos enquanto prisioneiro de guerra no Vietname do Norte. Num dia de Natal um dos seus guardas aproximou-se e, discretamente, desenhou uma cruz no chão. Embora seja tocante, a maior parte dos seus críticos considera que a história diz mais sobre a fé do soldado vietnamita do que sobre a dele.

Por seu lado Barack Obama, ao contrário dos candidatos democratas dos últimos anos, é um cristão convicto que fala abertamente da sua fé.

A probabilidade dos evangélicos votarem em Obama é muito baixa, este está mais preocupado em apelar aos cristãos mais liberais. O medo da campanha de McCain é que mais evangélicos sigam o exemplo de alguns dos seus líderes que já anunciaram publicamente que preferem ficar em casa do que votar em McCain. Mesmo que a maioria acabe por votar nele, a sua falta de entusiasmo pode ferir a campanha, nem que seja financeiramente.

O pessoal da campanha de McCain tem mantido reuniões com diversos líderes religiosos conservadores e evangélicos, na esperança de os cativar para a causa do senador.

Fonte: FA/New York Times