O jornal vaticano Osservatore Romano criticou nesta terça-feira o modo com o qual os meios de comunicação trataram as posições da Igreja Católica em relação aos homossexuais e aos deficientes físicos, nas vésperas do 60º aniversário da Declaração dos Direitos Humanos nas Nações Unidas.

Em um comentário editorial em primeira página, a jornalista e historiadora Lucetta Scaraffia ressalta que a Santa Sé foi acusada de “ter atacado grupos sociais frágeis e perseguidos” por não querer assinar o chamado pela descriminalização da homossexualidade, promovido pela União Européia e a convenção sobre os deficientes físicos.

Segundo Scaraffa, o texto proposto pela França sobre a homossexualidade foi escrito associando termos como “preconceitos” e “discriminações” a aspectos dos direitos humanos, de modo a “introduzir a obrigatoriedade” de se aceitar o matrimônio homossexual, o que é inaceitável para a Igreja Católica.

Fonte: Jornal da Mídia