Dr. Nazir S. Bhatti, editor do “Christian Paquistan Post”, recebeu ameaças de morte por falar em nome dos cristãos paquistaneses. Cristãos paquistaneses enfrentam perseguição, incluindo assassinatos e prisões por causa de sua fé.

Um editor paquistanês cristão disse que recebe emails de ódio e ameaças de morte em uma base diária do Paquistão por transportar relatórios sobre a perseguição de cristãos no país do sul da Ásia.

Dr. Nazir S. Bhatti, editor do “Christian Paquistan Post”, que funciona como fundador do Congresso Cristão do Paquistão, quinta-feira recebeu um e-mail como no qual Asia Bibi, que está definhando na prisão por blasfêmia, e Punjab ex-governador Salman Taseer e o ministro Shahbaz Bhatti, que foram assassinados no ano passado por cruzar a lei de blasfêmia, foram chamados harami ou bastardos.

“Eu li alguns de seus meios de comunicação e isso perturba-me muito por que a mídia é responsável por simpatizar com o criminoso, harami mulher suja Asia Bibi, que insultou o nosso amado Profeta.”

Além disso, a mídia tem retratado Haramis tais como Salman Taseer e Shahbaz Bhatti como “shahid” (mártires), ambos são Haramis e jahannamis (destinada ao inferno) e gustakh e Rasool (blasfemador de profeta.).”

O escritor disse Bhatti, “Eu gostaria de lembrá-lo de um fato muito importante. O Paquistão é uma nação islâmica. É uma nação para os muçulmanos, por muçulmanos, dos muçulmanos.”

“Agora vocês não são muçulmanos, e você não são paquistaneses, mas vocês são apenas convidados que por acaso vem viver no Paquistão. Verdade seja dita, nós não gostamos de vocês, e que prefeririamos que vocês saissem do nosso belo país. Você podem ir para Europa ou para América, mas não gostamos que vocês vivam no Paquistão, a terra que é Paak (pura).

“Todos do Paquistão estão atrás de Hazrat Ghazi e Millat, Mumtaz Hussain Qadri …. vamos tornar a vida para você no Paquistão o inferno, eu juro por Deus, não esqueça.” Os cristãos são rotineiramente mortos, convertidos à força e violentadas no Paquistão, mas os culpados nunca são levados à justiça

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]