O autor alega ter sido agredido com socos e ponta pés por um dos pastores da Igreja Mundial do Poder de Deus.

Está sendo julgada pela juíza Ana Paula da Veiga Carlota Miranda, da Décima Quarta Vara Cível de Cuiabá, uma ação de indenização por danos morais e materiais com pedido de tutela antecipada ajuizada por R. A. F. em desfavor da Igreja Mundial do Poder de Deus.

O autor alega ter sido agredido com socos e ponta pés por um dos pastores da instituição. Segundo os autos, o espancamento teria ocorrido por discriminação e racismo devido ao autor ter tido experiências homossexuais antes de ingressar na Igreja. O valor da indenização está fixada em R$ 1 milhão.

R. A. F. relata que ingressou nos quadros de ministros da Instituição como Pastor Auxiliar em março/2009 e, em dezembro/2009, quando estava dormindo nas dependências da Igreja, foi acordada pelas agressões de um companheiro de profissão. Segundo os autos, posterior aos acontecimentos, a suposta vitima foi levado para a casa do Bispo S. F., o qual o convenceu em não comunicar os fatos às autoridades competentes, e aguardar as providências a serem tomadas.

Conforme exposto a juíza, o representante legal da Igreja juntamente com o agressor, apareceram em sua programação televisiva ao vivo, disparando frases como: “ Estamos sendo perseguidos,até o IBAMA veio atrás de nós porque bateram em um veado”.

Ainda como conseqüência, R. A. F. teria sido expulso da Igreja sem qualquer chance de defesa, mesmo administrativamente. Diante disso, R. A. F. registrou boletim de ocorrência, sendo encaminhado ao IML para exames de praxe. Considerando que o laudo pericial não foi conclusivo, intimou-se o autor para trazer aos autos o laudo complementar comprovando se o mesmo foi agredido física e psicologicamente, vitima de homofobia.

O julgamento segue para decidir sobre a condenação ou não da Igreja Mundial do Poder de Deus por danos morais. A causa está avaliada em R$ 1.000.000,00. O julgamento final está marcado para o dia 27 de dezembro de 2014.

[b]Fonte: Cenário MT[/b]