Judeus sentem-se inseguros em Berlim e escondem sua confissão religiosa para não serem alvo de atos anti-semitas, disse o presidente da comunidade judaica da capital alemã.

Incidentes como o recente atentado contra um jardim-de-infância judaico em Berlim “criam um sentimento permanente de insegurança na comunidade e muitos judeus que vivem na capital ocultam os símbolos de sua confissão religiosa, entregando-se a um judaísmo consciente mas anônimo”, disse Gideon Joffe, presidente da comunidade judaica berlinense, em declarações publicadas nesta quarta-feira (28/02) no jornal “Frankfurter Rundschau”.

Ele sugeriu que os não-judeus ponham um solidéu e uma estrela de David no peito “para verificarem que rapidamente serão confrontados com atos anti-semitas”.

No último final de semana, desconhecidos pintaram suásticas e palavras de tom anti-semita nas paredes de um jardim-de-infância judaico, lançando ainda uma bomba de fumaça no estabelecimento localizado no bairro berlinense de Charlottenburg.

Em reação ao ataque, o Centro Simon Wiesenthal em Paris ofereceu treinamento especial aos policiais alemães. “O objetivo deve ser a garantia da segurança dos judeus e de outras minorias”, escreveu o centro numa carta dirigida à ministra alemã da Justiça, Brigitte Zypries.

Fonte: DW World