Em audiência realizada na quinta-feira (21), o juiz ordenou que Ana Paula Almeida, 31, fique monitorada por uma tornozeleira GPS e estipulou a fiança de $20,000. A pastora é acusada de molestar sexualmente uma menina durante dois anos e pediu asilo devido a pendências com a imigração.

Segundo o Milford Daily News, o Juiz James Lemire determinou que ela, ou deveria ficar sob monitoramento eletrônico e pagar em dinheiro a fiança, ou ficasse presa sob a fiança de $200,000. A preocupação do estado quanto à fuga de Ana Paula do país levou a Assistente de Promotoria Cheryl R. Riddle a pedir a prisão da pastora, sem direito à fiança.

Mas Riddle mudou de idéia e apresentou a alternativa de monitoramento e de uma alta fiança. Durante a audiência, ela disse ao juiz que não havia garantias de que Ana Paula não fugiria. Sendo monitorada, a ré pode ir direto a julgamento.

O advogado da brasileira, Scott Busconi, contestou, dizendo que não existe risco de sua cliente fugir. Segundo ele, o pedido de asilo de Ana Paula, baseado em medo de perseguição religiosa, cancela a ordem de deportação ou deportação voluntária da acusada.

Segundo Cheryl Riddle, Ana Paula tinha um visto de curta permanência para realizar compras possivelmente em Nova Iorque, mas decidiu ficar além do prazo permitido. O juiz temia que ela abrisse mão do pedido de asilo e deixasse o país, caso ficasse sem monitoramento eletrônico, o que foi chamado de especulação por Busconi. Segundo o advogado, Ana Paula pretende enfrentar as acusações.

A pastora foi presa em fevereiro último, quando uma menina de 16 anos acusou-a de abuso sexual, ocorrido durante dois anos, portanto quando a vítima tinha 14 anos. Há cerca de duas semanas, Ana Paula não admitiu a culpa. Ela foi acusada formalmente perante um grande júri, no início deste mês.

Acusada recebe apoio

O julgamento da última quinta-feira contou com a presença de várias pessoas apoiando Ana Paula. O juiz Lemire levou vários minutos para tomar uma decisão, em conjunto com outras autoridades. Caso pague a fiança, Ana Paula será solta da prisão feminina MCI-Framingham.

Mesmo com o GPS, Ana Paula terá direito a consultas médicas e jurídicas, bem como a frequentar serviços religiosos. Ela também terá que ligar cinco vezes por semana para o departamento de probation, espécie de liberdade condicional. Ana Paula não poderá ter qualquer contato com a suposta vítima.

Segundo Busconi, o aluguel de Ana Paula será possivelmente pago pela Plenitude of God Church, igreja onde ela exercia a função de pastora. A igreja também deve dar a ela a quantia mensal de $1,000 para ajudar a pagar contas e a comprar mantimentos, ainda segundo o advogado. De acordo com a assistente Riddle, Ana Paula estaria ganhando $4,000 mensais como pastora.

Busconi, as pessoas que foram prestar apoio à acusada e o advogado de imigração dela, que não quis se identificar, se negaram a falar com a imprensa.

A próxima audiência de Ana Paula, que será um pré-julgamento, ocorre em 16 de junho.

Fonte: Comunidade News