Depois da condenação a 10 meses de prisão nos Estados Unidos, os fundadores da Igreja Renascer em Cristo, Estavam e Sônia Hernandes, podem ter seus bens seqüestrados no país. A Justiça americana vai apreciar um pedido do Ministério Público Estadual para o seqüestro de bens e imóveis da família nos Estados Unidos.

Entre os bens, está a casa em condomínio de luxo em Boca Raton, em Miami, e diversos carros. De acordo com o promotor Artur Lemos, do Ministério Público de São Paulo, o pedido foi encaminhado no ano passado e a decisão deve sair em breve.

Segundo o Ministério Público, assim como no Brasil, os bens teriam sido adquiridos com dinheiro arrecadado entre os fiéis da Renascer. O casal é acusado de estelionato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica e já teve os bens seqüestrados pela Justiça no Brasil.

O Ministério Público investiga também a formação de uma organização criminosa com o dinheiro doado pelos fiéis. A procuradoria do Estado está processando as empresas do grupo Renascer por falta de pagamento de impostos.

A dívida chega a R$ 7 milhões. Fiscais da Fazenda do estado rastrearam oito contas bancárias pelas quais passaram nos últimos dois anos R$ 46 milhões não declarados à Receita Federal. Mais três sócios do casal respondem a processo.

No Brasil, os imóveis do casal como casas e um haras já estão sob administração judicial, que impede o uso pelos envolvidos. Calcula-se que os líderes da Renascer tenham um patrimônio de R$ 19 milhões.

– O único imóvel seqüestrado ao qual a Renascer em Cristo ainda tem acesso é o prédio e a torre de transmissão da Rede Gospel. A veiculação de imagens e o uso do prédio não foram impedidos, apesar da administração dos bens ser da Justiça – afirma o promotor.

Estevam Hernandes já está preso nos Estados Unidos para cumprir pena de detenção de cinco meses. Depois disso, ele cumprirá mais cinco meses de liberdade condicional e catorze meses de liberdade vigiada. Sonia cumpre no momento os cinco meses de liberdade condicional e irá para um presídio por cinco meses quando o marido for solto.

O juiz que emitiu a sentença, Federico Moreno, determinou que a pena fosse cumprida desta forma para que um dos pais ficasse em casa para cuidar da família enquanto o outro estivesse preso.

No Brasil, Sonia e Estevam têm a prisão preventiva decretada. A Justiça americana ainda analisa se eles extraditados ou deportados depois de cumprida a sentença nos Estados Unidos, por não declarar US$ 56 mil à alfândega do país.

O processo está suspenso porque o casal está impedido de comparecer às audiências. Mas um processo contra os filhos de deles, Felipe e Fernanda Hernandes, que também são bispos da igreja, e o genro prossegue.

Fonte: Globo Online