A Suprema Corte entendeu que o presidente eleito tinha todo o direito de usar a frase “Então me ajude Deus” em sua fala.

Um juiz federal Suprema Corte dos EUA se recusou na segunda-feira a aceitar a queixa de um ateu para o uso da frase (so help me God) “então me ajude Deus” na conclusão de um juramento presidencial durante a pose de Barack Obama.

A ação foi tomada por Michael Newdow, um ateu de Sacramento, que pediu a um juiz federal para impedir o Presidente do Supremo Tribunal John Roberts, de recitar “então me ajude Deus”, como no juramento em janeiro de 2009 ao presidente eleito Obama. Ele também pediu uma ordem para impedir dois membros do clero de realizar uma invocação e bênção durante uma inauguração em 2009.

O pedido do ateu foi negado pelo juiz federal, determinando que Newdow não tinha representação jurídica necessária para levar o litígio adiante.
Ao indeferir o processo, o tribunal de apelação disse que nenhuma das pessoas citadas no processo teve o poder de atender a queixa dos ateus subjacente uma vez que o presidente ou o presidente eleito tem toda a liberdade para decidir o conteúdo da cerimônia de inauguração.

Exortando o Tribunal Superior a não para assumir o caso, o atuante Procurador Geral Neal Katyal escreveu: “Porque o conteúdo da cerimônia inaugural é inteiramente dependente da vontade do presidente ou presidente eleito, apenas uma ordem judicial a correr contra o presidente ou o presidente eleito teria como resultado o impedimento que [o ateu] procura. Mas [ele] não abriu um processo contra o presidente ou o presidente eleito”.

Essa não é a primeira vez que ele entra na justiça tentando impendir que o nome de Deus seja falado em locais públicos, anteriormente argumentou contra a recitação das palavras “sob Deus” durante o juramento à bandeira em sala de aula de sua filha todas as manhãs.

[b]Fonte: Gospel Prime[/b]