A Justiça da Paraíba determinou a retirada de outdoors da Vinacc (Visão Nacional para a Consciência Cristã), entidade apoiada por igrejas evangélicas da Paraíba, espalhados por Campina Grande com mensagens contrárias ao homossexualismo.

A juíza Maria Emília de Oliveira, da 1ª Vara Cível de Campina Grande, atendeu pedido da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/Aids em Campina Grande.

Com a expressão “homossexualismo” em letras vermelhas e a frase atribuída à Bíblia “E fez Deus homem e mulher e viu que era bom” abaixo, os outdoors integram campanha contrária a um projeto de lei que tramita no Senado e que equipara a homofobia ao racismo. A campanha é patrocinada pela Vinacc (Visão Nacional para a Consciência Cristã), entidade apoiada por igrejas evangélicas da Paraíba.

A juíza apontou “evidente preconceito social” incitado pela campanha e pelos outdoors. O site da Vinacc afirma que a campanha foi lançada “em face da grande mobilização do movimento gay” e que a aprovação do projeto de lei transformará o país numa “ditadura gay”.

A juíza determinou a retirada da campanha do site da Vinacc, bem como dos cartazes e outdoors fixados na cidade, sob pena de multa diária de R$ 500.

De acordo com a Prefeitura de Campina Grande, cinco dos dez outdoors fixados na cidade foram retirados nesta quinta-feira.

A Justiça proibiu ainda a realização de uma manifestação –“homofóbica”, segundo a decisão da juíza– prevista para a sexta-feira em Campina Grande.

O presidente da Vinacc, pastor Euder Fabber, disse que a entidade entrou com recurso contra a decisão e negou que a campanha seja homofóbica.

Apoio católico

O arcebispo metropolitano da Paraíba, dom Aldo di Cillo Pagotto, manifestou seu apoio à campanha evangélica.

Em nota enviada à Vinacc e publicada no site do grupo, o arcebispo “parabeniza a coragem da Vinacc em defesa e promoção da liberdade de expressão ética e democrática”. Dá “votos de louvor” aos que “empreendem a presente mobilização pela moralização e liberdade de expressão de pensamento humanista e cristão.”

“Esses evangélicos estão tentando mostrar a palavra de Deus. Enquanto liberdade de expressão, eles estão “elas por elas’ em relação aos outros grupos [gays] que manifestam suas opiniões”, disse dom Aldo à Folha. Ele afirmou que não sabia dos outdoors e disse “que eles não ajudam na campanha”.

Fonte: Folha Online