O juiz da 5ª Zona Eleitoral de Salvador, Almir Pereira, determinou nesta terça-feira a retirada da propaganda do candidato à prefeitura Antonio Imbassahy (PSDB) que acusa o adversário ACM Neto (DEM) de ter negociado o mandato de prefeito com a Igreja Universal do Reino de Deus. O tucano irá recorrer da decisão nos próximos dias.

A acusação se baseia na ligação de ACM Neto com o vice Márcio Marinho, bispo da Igreja Universal. No comercial, Imbassahy utiliza uma reportagem publicada na última semana pelo jornal “A Tarde”, onde a Igreja Católica critica um panfleto de campanha de ACM Neto.

No panfleto “Neto tem fé em Deus”, o candidato aparece recebendo a comunhão do papa João Paulo 2º (morto em 2005) e beijando a mão do cardeal primaz do Brasil, d. Geraldo Majella.

Segundo a assessoria de ACM Neto, o democrata decidiu fazer o material em resposta aos boatos de que entregaria o cargo à Igreja Universal para se candidatar ao governo do Estado em 2010. Com as críticas dos católicos, ACM Neto preferiu arquivar o material de campanha.

Os advogados de ACM Neto entraram hoje com pedido de resposta para a propaganda e também com uma representação junto à Procuradoria Regional Eleitoral. O democrata pede que a Polícia Federal investigue a participação de Imbassahy na confecção de um material de propaganda com acusações em torno do apoio da igreja na candidatura de ACM Neto.

No vídeo “Neto quer que Salvador seja uma cidade moderna” o candidato apresenta ao eleitor o panfleto com a acusação do apoio da Igreja Universal. Em seguida, ACM Neto parte para o ataque e utiliza recortes de jornais locais para de defender das acusações movidas pelo adversário.

A assessoria de imprensa do candidato Imbassahy disse que entrará com um recurso contra a decisão da Justiça e também com uma representação contra ACM Neto. “Vamos pedir direito de resposta e entraremos em todas as instâncias para impedir as difamações e calúnias”, informou a assessoria.

Fonte: Folha Online