Liminar da Justiça de Piracicaba impede que as freiras do Mosteiro das Carmelitas toquem o sino.

Uma polêmica liminar da Justiça de Piracicaba, cidade a 168 quilômetros de São Paulo, impede, há quase duas semanas, que as freiras do Mosteiro das Carmelitas toquem o sino. A decisão foi tomada após um pedido de um casal de idosos, que mora próximo ao local, no bairro São Dimas. Eles alegaram que se sentam incomodados com as badaladas.

A prática, que completa 60 anos este mês, já mobiliza a comunidade. Um abaixo-assinado organizado pelos moradores foi entregue ao juiz Eduardo Velho Neto, que pode reavaliar a decisão. Ele deve se pronunciar na quarta-feira. De acordo com o juiz responsável, é preciso ter calma para analisar o pedido.

– A decisão (de não se tocar o sino) pode ser mantida, reconsiderada parcialmente ou reconsiderada totalmente – explica Neto.

– Foi feito um laudo no qual se constatou que o barulho das badaladas do sino chega a 57 decibéis – explica o vereador Laércio Trevisan Júnior.

Segundo o vereador, a lei municipal proíbe que o barulho seja maior do que 60 decibéis.

O juiz disse ainda que um novo laudo pode ser requerido à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) para que o pedido possa ser devidamente analisado. Se comprovado que o grau de ruído é maior do que o tolerável, a igreja terá de se adequar.

– São apenas duas pessoas incomodadas contra um monte de gente que não se importa – explica o vereador.

O sino eram tocados 10 vezes ao dia.

[b]Fonte: O Globo online[/b]