O jogador evangélico brasileiro Kaká, meio-campo do Milan, é uma das personalidades que entraram para a lista das 100 pessoas mais influentes elaborada pela “Time”. Ele é o 12º no ranking de ‘heróis e pioneiros e o 29º no geral.

“Desde a primeira vez em que eu joguei futebol contra ele, ficou óbvio que Kaká tinha algo de especial”, afirmou o goleiro do Fulham Kasey Keller, que escreveu o perfil do brasileiro.

O jogador do clube inglês questiona as manifestações religiosas em estádios de futebol, mas lembra que em “uma época na qual muitos atletas profissionais dão mais valor a carros, mulheres e polêmicas, é interessante perceber que há alguém comprometido em passar uma imagem positiva ao mundo”, disse Kellr referindo-se a Kaká.

Uma das inclusões mais inusitas da lista é a da atriz e cantora Miley Cyrus, 15, da série infanto-juvenil “Hannah Montana”. Cyrus, que anunciou há poucas semanas o lançamento de sua precoce biografia, foi escolhida pela publicação por sua “idolatria” que recebe dos adolescentes e por seus fortes “valores cristãos”, afirma a “Time”.

Recentemente, a estrela mirim se viu envolvida em meio a uma polêmica graças a uma série de fotos provocantes que circularam na internet. A atriz pediu desculpas ao seu público pelas fotos, feitas por Annie Leibovitz para a revista “Vanity Fair”, e as definiu como “idiotas” e “inadequadas”

A lista inclui outros cinco latino-americanos: os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Chile, Michelle Bachelet, a golfista mexicana Lorena Ochoa, o magnata mexicano Carlos Slim e a blogueira cubana Yoani Sánchez.

A relação da “Time” tem espaço também para personalidades como o casal Brad Pitt e Angelina Jolie, o atleta sul-africano Oscar Pistorius, a atriz Mia Farrow e a apresentadora de televisão Oprah Winfrey.

Esta última é a única a aparecer em todas as listas elaboradas pela revista.

Aparecem na relação o ex-tenista André Agassi, o ex-ciclista Lance Armstrong, Bob e Suzanne Wright, Peter Gabriel, Madeeha Hassan Odhaib e o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair.

Liderado pelo Dalai Lama, o afastado de Líderes e Revolucionários inclui o presidente russo, Vladimir Putin, e os pré-candidatos democratas à Presidência americana, Barack Obama e Hillary Clinton, e o candidato republicano, John McCain.

Os presidentes de China, Hu Jintao; dos Estados Unidos, George W.Bush; e do Congresso Nacional Africano, Jacob Zuma, também marcam presença na relação.

A lista também abre espaço para o clérigo iraquiano Moqtada al-Sadr, o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americana), Ben Bernanke, a presidente do governamental Partido do Congresso da Índia, Sonia Gandhi.

Estão presentes também o secretário de Defesa americano, Robert Gates, o general paquistanês Ashfaq Kayani, e o presidente eleito de Taiwan, Ma Ying-jeou.

As grandes ausências do ano são Osama bin Laden, o homem mais procurado do planeta, o papa Bento XVI e a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, que até este ano era, junto a Oprah Winfrey, a única personalidade que tinha aparecido todos os anos.

Outros nomes selecionados pela “Time” são o fundador da Apple, Steve Jobs, a presidente e conselheira delegada da PepsiCo, Indra Nooyi, e o ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi.

Também figuram o magnata da imprensa Rupert Murdoch, o presidente da Cisco, John Chambers, e o da General Electric, Jeffrey Immelt; o fundador da Amazon.com, Jeff Bezos, o executivo-chefe da Microsoft, Steve Ballmer e o príncipe saudita Alwaleed bin Talal, acionista majoritário do Citigroup, entre outros.

Entre os artistas e celebridades, estão na lista Robert Downey Jr., Joel & Ethan Coen, Bruce Springsteen, Mariah Carey, George Clooney e Takashi Murakami, entre outros.

Fonte: EFE