A Catedral de Ribeirão Preto vai ter um vigia durante todas as celebrações da igreja. Segundo o padre Francisco Zanardo Moussa, pároco da igreja, o segurança será pago por uma instituição financeira da cidade. No ano passado, as igrejas de Ribeirão Preto foram vítimas de 17 furtos e um roubo. Este ano já ocorreram dois furtos.

– Preciso de um vigia urgente. Vamos colocar em todos os horários e ele vai acompanhar as celebrações. Resolvemos tomar esta providência porque a igreja já foi vítima de furtos – afirmou o padre ao jornal “A Cidade”.

Segundo o padre, em poucos dias a administração do banco deve acertar os detalhes finais do convênio. Antes de pedir a ajuda de uma instituição privada para colocar o vigia na igreja, Moussa idealizou um projeto de segurança que previa a instalação de câmeras e alarmes, mas ao saber do preço de todos os equipamentos desistiu da idéia.

– Descartei porque custaria R$ 30 mil e a igreja não tem esse dinheiro – afirmou.

Na igreja Bom Jesus da Lapa, no bairro Campos Elíseos, foi colocada uma cerca elétrica depois de vários furtos de fios de cobre.

Na igreja Nossa Senhora de Nazaré, no Jardim Anhangüera, foram instaladas câmeras e cerca elétrica depois de dois furtos e um roubo. Segundo a funcionária da secretaria, que acompanha todo o movimento do lado de fora da igreja, graças a um monitor de TV instalado na sala dela, o portão só é aberto se ela não tiver dúvidas sobre a identidade da pessoa.

– Não arrisco – afirmou a jovem que preferiu não se identificar.

Segundo levantamento feito pelo capitão Luis Henrique Usai, da Polícia Militar de Ribeirão Preto, igrejas dos bairros Vila Mariana, Jardim Paulista, Vila Abranches, Lagoinha, Campos Elíseos e Tanquinho foram vítimas dos ladrões.

Eles levam fios, aparelhos de som, microfones e até imagens de Santos.

– Hoje em dia os ladrões não respeitam nem a casa de Deus – afirmou Maria Dolores Pereira, moradora do Ipiranga. Todas às vezes que ela vem ao Centro de Ribeirão Preto aproveita para visitar a Catedral.

– Outro dia, por pouco não levaram a minha bolsa. Um menino passou de bicicleta e puxou, mas eu segurei – afirmou.

A comerciante Mafalda Crivelenti, 55, também foi vítima de ladrões após sair da catedral. Ela afirmou que há uma semana notou que dois rapazes a observaram entrar na igreja.

– Eles entraram atrás de mim e quando fui comprar um sorvete vi que a carteira não estava na bolsa. Acho que eles pegaram quando entraram comigo na igreja eu nem percebi nada – disse.

Fonte: O Globo