Pesquisa da Tesev mostra, que o traje do véu é uma prática que está diminuindo, principalmente entre as jovens e em meio urbano. As estudantes que não abrem mão desta vestimenta islâmica devem desistir da universidade ou estudar no exterior.

Assim como ela costuma fazer toda manhã, Serap desce do ônibus, com o seu MP3 player amarrado no pescoço, na frente da universidade Marmara de Istambul. Antes de passar pelo portão de segurança, esta estudante de inglês dá uma volta pela cabina de estrutura pré-fabricada, dentro da qual circulam dezenas de jovens colegas que, assim como ela, trajam o véu.

Num gesto mecânico, ela desamarra o seu lenço, de um violeta elétrico que combina com os seus tênis, ela o dobra e ajeita o cabelo diante de um espelho. Ela pode então se dirigir para a sala de aula, o que ela faz movida por um espírito fatalista: “A gente se acostuma”. Ayse, por sua vez, não se conforma com isso. “No ano passado, era pior; nós éramos obrigadas a retirá-lo na rua. Eles instalaram essas cabines, mas seria melhor, para mim, que eu não seja forçada a retirar o meu lenço.”

Na entrada, o guarda vigia escrupulosamente a entrada das alunas, zelando pelo respeito da regra que foi decretada pelo Conselho das universidades nos anos 1980, a qual proíbe o traje do véu islâmico nos estabelecimentos públicos de ensino. Algumas delas esperam até chegar a poucos metros da entrada para então retirar o quadradinho de tecido. A mesma obrigação vale para duas professoras, que o retiram ainda dentro do seu carro. Este atributo religioso, trajado por 60% das mulheres na Turquia, é banido das universidades em nome do princípio de laicismo.

As funcionárias públicas, assim como as mulheres de oficiais do exército, também devem comparecer no serviço com a cabeça descoberta. Estas restrições se tornaram um símbolo de opressão para algumas, de liberação para as outras. O lenço, que se tornou objeto de uma batalha política, desenha uma linha de ruptura no âmbito da sociedade turca.

Em abril, foi o lenço trajado por Hayrunnisa Gül que provocou uma enorme polêmica. A mulher de Abdullah Gül, o ministro das Relações Exteriores, que cobiçava a presidência da República, teria se tornado a primeira mulher de um presidente da Turquia laica a trajar o véu, em caso de eleição do seu marido. “Nada de mulher com véu no palácio de Cankaya!”, repetiram aos brados os manifestantes nos grandes comícios republicanos que foram realizados nestas últimas semanas, imbuídos dos ensinamentos de Mustafa Kemal (1881-1938). Este, o fundador da Turquia moderna, incitou as mulheres a não mais trajarem o véu, e fez da presidência um baluarte do laicismo.

O atual presidente, Ahmet Necdet Sezer, sempre se recusou, desde 2002, a deixar as mulheres dos dirigentes do AKP (Partido da Justiça e do Desenvolvimento) participarem das recepções oficiais, em razão da sua maneira de se vestir, julgada retrógrada. Este fato é vivenciado como uma humilhação por Emine Erdogan, a mulher do primeiro-ministro. Esta tensão despertou um medo tenaz. Uma parte da sociedade, que se caracteriza como urbana e kemalista, está convencida de que o sistema laico corre perigo.

Este sentimento é compartilhado por 20% da população, segundo apurou uma pesquisa realizada em 2006 pela Tesev (Fundação dos estudos econômicos e sociais), financiada pelo bilionário George Soros. Para estes últimos, o véu constitui a parte visível de uma “islamização” sorrateira que ameaça o equilíbrio republicano. “Com todas essas mulheres que trajam o véu: estamos assistindo à invasão dos bárbaros”, ruge Pelin, uma estudante na universidade Galatasaray.

A pesquisa da Tesev mostra, no entanto, que o traje do véu é uma prática que está diminuindo, principalmente entre as jovens e em meio urbano. O “çarsaf”, um longo tecido preto que cobre o corpo por inteiro, e com o qual as câmeras de televisão se deleitam, é utilizado por 1% das turcas apenas. Já, o lenço clássico, mais tradicional do que religioso, é representativo da imensa maioria. Mas aquele que constitui um problema para os laicos é o “türban” (tipo de turbante), característico da “sociedade AKP”. Trata-se de um lenço que envolve estritamente a cabeça e o pescoço, e que é considerado como um estandarte islâmico e anti-republicano. Mas ele é trajado por 11% das mulheres apenas, contra 15% em 1999.

“O traje do véu está diminuindo nitidamente”, constata Binnaz Toprak, um professor de ciências políticas da universidade do Bósforo e autor do relatório da Tesev. “Contudo, muitos são os laicos que não querem acreditar nisso, nem mesmo entre os universitários. Existe um medo extremo, vinculado ao passado da Turquia. O Império otomano era dominado pelo regime da “charia”, a lei islâmica”.

Hoje, mais da metade dos turcos se dizem religiosos, mas “as suas práticas vem se laicizando”, acrescenta Binnaz Toprak. Por sua vez, o presidente da Tesev, Can Paker, foi até o ponto de estimar que este lenço constitui, na Turquia, “um instrumento de emancipação, mais que de regressão”. “As jovens mulheres que o trajam não estão mais enclausuradas em suas casas, e podem circular à vontade no espaço público, se instruir, trabalhar”, explica Parker.

Durante os cinco anos em que o país esteve governado por eleitos do AKP, várias categorias da classe média e de uma burguesia conservadoras se desenvolveram. A escolarização, a urbanização e o aumento do nível de vida contribuíram para suavizar os costumes. Nas grandes cidades, é comum cruzar com elegantes mulheres com a cabeça coberta por um véu, no volante de uma potente van 4X4, com um cigarro na mão, ou ainda adolescentes vestidas com um turbante, beijando seu namorado.

Uma clientela chique disputa espaços na Armine, uma boutique especializada e xales e lenços, situada nas proximidades do bazar egípcio de Istambul. Aos fins de semana, as jovens elegantes nela se precipitam, à espreita das novas tendências: “Neste verão, estão na moda as cores vivas e os desenhos que reproduzem os monumentos de Istambul”, explica um vendedor. “É preciso viver com o seu tempo”, comenta com um sorriso Zuhal, a sua colega de 28 anos, apertada dentro de uma blusa rosa que não dissimula verdadeiramente as suas formas.

No embarcadouro de Kadiköy, na ribanceira asiática do Bósforo, Mubeyyen está lendo o “Zaman”, o diário pró-governamental, enquanto aguarda a chegada do navio. Este puro produto da burguesia conservadora, uma estudante em comunicação, aperta firmemente a mão dos homens. Ela traja grandes óculos escuros, uma calça jeans e um lenço de tecido leve, o qual combina com a camisa que molda o seu corpo. “É importante ser bonita”, comenta Mubeyyen, com a voz de uma mulher segura de si. “A escolha de um traje para se vestir é algo muito pessoal, e todo mundo tem uma maneira que lhe é própria de interpretar o Alcorão. Além disso, a religião é benévola para com a moda e a novidade”. Mubeyyen, cujo pai será candidato sob as cores do AKP nas eleições legislativas de 22 de julho, se prepara para votar pela primeira vez. “Vou votar no AKP”, afirma ela, como se isso fosse uma evidência. “Porque é o partido que defende os nossos direitos”.

No portão das universidades, onde as jovens mulheres devem retirar o seu véu, o regime laico não raro é considerado como discriminatório. “A nossa liberdade é limitada, os nossos direitos são oprimidos”, exclama Fatma. Foi ao manifestar a sua oposição a esta regulamentação sobre o véu que o movimento islâmico se politizou na Turquia. “O Islã político ganhou visibilidade no final dos anos 1980, quando os movimentos estudantis começaram a defender o direito de trajar o véu”, explica Nilüfer Narli, um sociólogo da universidade Bahçesehir de Istambul e especialista do Islã político.

Em 1997, depois da evicção, sob a pressão do exército, do primeiro-ministro islâmico Necmettin Erbakan, a lei passou a ser aplicada de modo muito estrito, inclusive nos “imam hatip”, os liceus de formação religiosa. Na época, a mulher de Abdullah Gül havia dado entrada a um recurso perante a Corte européia dos direitos humanos, do qual ela acabou desistindo mais tarde. Com a mudança, muitas foram as meninas e as jovens mulheres que perderam seu acesso à escolarização, e a população conservadora conservou deste episódio um rancor mal resolvido.

“Já faz dez anos que eu luto contra isso, e estou cansada”, suspira Neslihan. Esta jovem muçulmana intransigente, que traja um véu austero desde a idade de 12 anos, trava uma luta muito politizada e despreza “aquelas que mostram as suas pernas”. “O meu pai me dizia: ‘Ou você tira o seu véu e vai para a escola, ou você fica em casa’. Acima de tudo, eu não queria levar a mesma vida que a minha mãe; então, eu não dizia a ninguém que eu ficava do lado de fora da universidade”. Após ter sido rechaçada, ela voltou a assistir às aulas por algum tempo, com um grande boné sobre a cabeça, que ela usa para esconder o seu lenço.

Nos estabelecimentos turcos, algumas estudantes tentam driblar a lei trajando uma peruca. “Até mesmo nas bibliotecas, eu não era aceita. Eu cheguei à conclusão de que eu não poderia mais viver aqui”. Uma aluna brilhante, Neslihan obteve uma bolsa e conseguiu obter, na Suécia, um mestrado de ciências políticas. As estudantes que trajam o véu podem exilar-se na Europa ou nos Estados Unidos, com a condição de dispor dos meios para tanto, mas elas são excluídas do sistema educativo turco. Este é o caso de duas das filhas de Recep Tayyip Erdogan, o primeiro-ministro, que partiram para estudar no Estado americano de Indiana.

“Quando você é forçada a retirar esse véu, como forma de reação, isso se torna uma questão de princípio”, estima Havva, 20 anos, que desistiu da universidade. “O que eu quero é que nem os meus pais, nem o Estado decidam qual deve ser a minha maneira de me vestir. Sinto-me como se eu estivesse sendo violentada”. Com uma sensibilidade à flor da pele, Havva confessa que ela não se atreve mais a freqüentar os lugares onde olham para ela com cara feia. “Seja nos bairros chiques ou nos cinemas, é uma barra pesada… Num dia desses, eu estava no ônibus, lendo um livro de Dostoievski. Duas mulheres entraram e começaram a fazer comentários. Para elas, uma mulher que usa o véu é necessariamente uma iletrada”.

Esta discriminação hostil e este sentimento de perseguição alimentam a revolta das jovens muçulmanas, a qual, por sua vez, faz prosperarem os partidos de inspiração islâmica. “O véu se caracteriza por apresentar três aspectos”, explica o sociólogo Nilüfer Narli. “É um sinal de piedade, de humildade e de preferência política. Atualmente, é este último aspecto que predomina”.

A polarização da vida política endureceu as posições tanto dos laicos quanto dos islâmicos. Mas uma ampla maioria dos turcos se diz favorável a uma suavização do laicismo, principalmente nas universidades. O AKP apropriou-se do assunto, mas sem questionar verdadeiramente a regra. “Eles nunca tentaram modificá-la”, prossegue Nilüfer Narli. “Mas existe uma expectativa muito forte na população”. Por esta razão, uma parte do eleitorado islâmico se sente traída. “Eu votarei contra o AKP”, anuncia Elif. “Eles fazem promessas, mas nunca as cumprem”.

Fonte: Le Monde