O dia primeiro de abril marcou a primeira fase de aplicação da Sharia (lei islâmica) em Brunei. Apesar de terem sido postas em prática por muitos anos, as regras islâmicas apenas cobriam assuntos de âmbito civil, como a família e o casamento. Agora, foram estendidas para infrações penais, crimes puníveis com multas e prisão.

Além disso, castigos corporais – tais açoitamento, apedrejamento e morte – serão introduzidos à lei oficial do país em um ou dois anos, a partir de agora.

Uma série de regulamentos afetará os não-muçulmanos. Algumas das principais preocupações entre os cristãos são: a proibição da propagação de quaisquer religiões diferentes do islã para os muçulmanos e ateus, e a proibição do uso de 19 palavras islâmicas, como Allah (Deus) e Firman Allah (Palavra de Deus) por qualquer outra religião que não seja o islã. Esses termos são impressos em Bíblias nos idiomas malaio e indonésio, que são amplamente utilizadas em Brunei e, portanto, correm o risco de ser confiscadas e destruídas.

Ore pelos cristãos cuja liberdade religiosa será ainda mais controlada daqui por diante. Devido ao aumento da tensão e do medo, há uma relutância crescente em compartilhar o Evangelho e ser associado com os cristãos secretos. Peça a Deus para que as igrejas locais sejam capazes de lidar com as restrições com sabedoria, prudência e criatividade, sem abandonar seu chamado para testemunhar e para cuidar de seus irmãos.

[b]Fonte: Portas Abertas Internacional[/b]