O Conselho Nacional de Leigos da Venezuela rechaça, em documento tirado da sua assembléia, “a concentração de poderes no presidente da República e os poderes especiais que a Lei Habilitante lhe outorga, já que ela exclui a opinião e a participação dos Poderes estabelecidos na nossa Constituição e as do soberano povo da Venezuela”.

Em evidente alusão às reiteradas expressões de tom evangélico do presidente Hugo Chávez (foto), o Conselho “rejeita, uma vez mais, todo tipo de ataque à Igreja, a seus pastores, e à religião, bem como a manipulação do Evangelho e inclusive da própria pessoa de Cristo”.

Os leigos católicos frisam que estão à disposição para o diálogo, enquanto reafirmam o valor da família, a liberdade de culto, a comunicação como fonte de informação sem ataduras políticas e a necessidade da consulta para as reformas constitucionais do país.

A nota expressa total respaldo à exortação pastoral emitida pelos bispos venezuelanos no dia 13 de janeiro, denominada “Tempo de diálogo para construirmos juntos”. Os bispos destacam, na exortação, a “centralidade da pessoa, os direitos humanos, o pluralismo político frente ao pensamento único e a exclusão por razões ideológicas ou por qualquer outro motivo; a educação pluralista, aberta à transcendência e à religião; a luta contra a pobreza, o desemprego, a insegurança jurídica e social e a violência; a liberdade de expressão e o direito à informação; uma positiva resposta à situação desumana de nossos irmãos privados de liberdade e a dos que se sentem perseguidos”.

A Assembléia Ordinária do Conselho Nacional de Leigos reuniu-se em Caracas nos dias 26 a 28 de janeiro. Os leigos católicos assinalam, no documento, que defenderão e promoverão os princípios cristãos fundamentais como base inevitável para a construção do país que deseja.

Fonte: ALC