O porto-riquenho José Luís de Jesús Miranda, de 61 anos, o criador da igreja Crescendo em Graça, que diz ser “Jesus Cristo” desembarcou no aeroporto internacional do Rio na sexta-feira de manhã, vindo de Miami, com toda a pinta de turista: chiclete na boca, óculos de sol, Rolex no pulso e corrente de ouro no pescoço.

Despontou no saguão, e as 300 pessoas que haviam madrugado ali foram ao delírio. Uma bateria de escola de samba deu início à batucada, e mulatas se requebraram em sinal de boas-vindas.

Seguranças tiveram de abrir passagem. “Jesus Cristo” sorriu, deu a mão aos mais eufóricos e enxugou o suor do rosto com um lenço. Antes de entrar no carro que o levaria para um hotel cinco estrelas na Barra da Tijuca, outro êxtase: tirou o blazer e exibiu tatuado no braço um 666, o número bíblico da besta.

“Jesus Cristo” é uma das alcunhas do porto-riquenho José Luís de Jesús Miranda, de 61 anos, o criador da igreja Crescendo em Graça. A seita destoa das demais denominações evangélicas por ensinar que seu líder é a segunda encarnação de Cristo. “Até minha família pensou que eu estava ficando louco quando revelei ser Jesus Cristo homem”, afirmou Miranda, vigiado por três seguranças, em entrevista concedida ao Estado.

Pelos cálculos da própria igreja, 2 milhões de pessoas em 23 países, a maioria na América Latina, crêem fervorosamente que Cristo reencarnou em Miranda. No Brasil, a presença é relativamente pequena, com menos de 10 mil seguidores. Os pastores brasileiros sonham alto: já têm um programa de rádio e, a exemplo de outras igrejas, alimentam planos de dirigir uma emissora de TV. A empreitada mais recente foi a criação da escola de samba 666, que recepcionou o líder no aeroporto e pretende um dia ser vista na Sapucaí.

A Crescendo em Graça é praticamente desconhecida no Brasil, mas no exterior tem feito barulho. Por causa das provocações que faz aos católicos, José Luís de Jesús Miranda foi proibido de entrar em El Salvador, Honduras e Guatemala. O presidente de El Salvador disse que não aceita em seu país “um louco que diz ser o Messias”.

O líder religioso desembarcou no Brasil no feriado de Nossa Senhora Aparecida e voltaria para os EUA ontem. No fim de semana, comandou uma convenção nacional no Rio. Perto de 1,5 mil pastores e fiéis compareceram.

Ao pé da letra

A doutrina da Crescendo em Graça é simples. Miranda utiliza trechos estrategicamente selecionados da Bíblia e os interpreta ao pé da letra para argumentar que o sacrifício de Jesus Cristo, 2 mil anos atrás, acabou de vez com o diabo e o pecado.

“Não precisamos imitar o modelo de sacrifício de Jesus para sermos salvos, como mandam as religiões que se dizem cristãs. É um erro. Já estamos todos automaticamente salvos”, diz. Assassinato e roubo não são pecados, mas crimes que se coíbem “com a consciência de cada um e com as leis dos homens”.

Miranda faz da Igreja Católica seu alvo favorito. Costuma ofender o papa Bento XVI e dizer que os padres são “pedófilos de saias”. Em maio, seus seguidores no Brasil fizeram ruidosos protestos na visita de Bento XVI.

Nem os evangélicos escapam. “Se conheço a Igreja Universal do Reino de Deus? Sim, é um negócio de mentiras”, diz. “A Renascer em Cristo? Li no jornal que os líderes foram presos com dinheiro. É a mesma coisa: pregam os ensinamentos de Cristo, um falso evangelho.”

O porto-riquenho conta que decidiu abrir a igreja depois de, nos anos 70, dois anjos aparecerem num sonho e anunciarem a missão. “O Senhor me mandou para Miami”, conta ele, que buscou seu rebanho na comunidade latina. Hoje, seu maior patrimônio é a Telegracia, uma emissora internacional de TV por satélite com sede na Colômbia.

Marketing

Com boas noções de marketing, a seita aparece com freqüência em jornais e TVs de diversos países. Recentemente, a ex-mulher de Miranda foi à CNN contar que o porto-riquenho é uma farsa.

O que mais atrai os meios de comunicação é o fato de os seguidores tatuarem no corpo o número 666 – até mesmo na testa – e chamarem Miranda de “anticristo” (contrário ao modelo de Cristo). Apesar da sugestão, a Crescendo em Graça não tem nada de satânico. O brasão da igreja mostra uma águia copiada do selo dos EUA, e nele se lê: “Governo de Deus na Terra”.

Miranda passa o ano visitando suas igrejas. Na semana que vem, visitará Caracas. “Ganhei até o cartão platina da empresa aérea”, diz. O dinheiro vem de doações. Pelo que se viu no evento realizado no Rio, os seguidores são, em grande parte, pobres. Mesmo assim, contribuem.

Com orgulho, no sábado, um pastor entregou a “Jesus Cristo”, em nome de todos os fiéis brasileiros, uma grossa pulseira de ouro. Na entrevista ao Estado, Miranda fez questão de mostrar ao repórter um anel de ouro (“com nove diamantes”) e um Rolex (“vale uns US$ 11 mil”). “Ganhei de pessoas que se sentem felizes na Crescendo em Graça”, explicou. “Atualmente, há um empresário que quer me presentear com um avião. Imagino que vão me criticar quando o avião chegar.”

‘Sou Cristo, mas não preciso morrer na cruz’

Confira entrevista abaixo:

Por que o sr. está proibido de entrar em países da América Central?

Por causa da Igreja Católica. Os presidentes desses países fornicam com os representantes católicos.

O sr. vive no Texas, mas a sede da sua igreja fica na Flórida…

Vivo no Texas porque lá não sou conhecido. Posso sair às ruas e ir às lojas sem que as pessoas me parem para conversar ou xingar.

O sr. mantém sua raiz caribenha?

Tento. Gosto da comida e da música de Porto Rico. Sempre escuto Ricky Martin.

Jesus Cristo não deve ser adorado?

Jesus de Nazaré ou eu?

Jesus de Nazaré.

Não. Ele teve uma função, que foi destruir o diabo e tirar o pecado do mundo. Não precisamos segui-lo porque o diabo não existe mais.

A estátua do Cristo Redentor, no Rio, deveria então ser destruída?

É totalmente equivocada. As pessoas perdem tempo subindo lá.

Deveria haver uma estátua sua?

Não deveria haver nada lá em cima.

O sr. terá de morrer numa cruz?

Não é necessário. Já houve o sacrifício que tirou o pecado do mundo.

Se fosse necessário, morreria?

Dou minha vida por isso. Sempre recebo ameaças de morte.

Um terceiro Cristo poderia vir?

Não virá. Se estou fazendo o trabalho, para que esperar outro?

Sua família o entende?

Dos 5 filhos, 2 estão no ministério. Os demais ainda estão se convencendo das evidências. Minha primeira mulher não entendeu.

O sr. gostaria de dizer algo mais?

Tento convencer todas as pessoas que conheço. Por isso, eu o convido a estudar (minha doutrina). Posso dizer que você é um abençoado, um predestinado e que há um espírito perfeito oculto dentro de você.

Fonte: Estadão