Para o líder islâmico al-Azhar, jogar o corpo de Osama bin Laden no mar foi uma afronta aos valores religiosos.

O diretor da respeitada sede da escola muçulmana sunita al-Azhar no Egito classificou como uma afronta aos valores religiosos e humanos o fato de as tropas norte-americanas terem sepultado no mar o corpo do líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, na segunda-feira.

Os muçulmanos colocam os mortos em túmulos permanentes na terra e aceitam o enterro no mar apenas nos casos em que o corpo não pode ser preservado intacto a bordo de uma embarcação até chegar à costa.

“O Grande Imã, doutor Ahmed El-Tayeb, xeique da Al-Azhar, condenou a prática, se confirmada, de jogar o corpo de Osama bin Laden no mar”, de acordo com um comunicado divulgado pela Al-Azhar, respeitada em todo o mundo por muitos muçulmanos sunitas como uma instituição de ensino religioso.

O procedimento “contradiz todos os valores religiosos e normas humanas”, disse o documento. “O Grande Imã afirmou que é proibido no Islã deformar os mortos, independentemente de suas crenças. Honra-se os mortos enterrando-os.”

Autoridades norte-americanas, falando sob anonimato, disseram que o corpo de Bin Laden foi jogado no mar do convés de um porta-aviões depois que as tropas mataram o líder da Al Qaeda no Paquistão.

Uma delas afirmou que isso foi feito para evitar que seu túmulo se tornasse um santuário. Outra acrescentou que os costumes islâmicos foram respeitados.

Um proeminente advogado egípcio islâmico também condenou a decisão dos Estados Unidos e disse que Bin Laden poderia ter sido enterrado em seu país natal, a Arábia Saudita, uma nação aliada dos norte-americanos que abriga os locais mais sagrados do Islã.

“Não é o suficiente que o mataram e manifestaram sua alegria ao mundo?”, Montasser al-Zayat afirmou à rede de TV Al Jazeera. “O Reino da Arábia Saudita tem uma obrigação moral de exigir que Osama seja enterrado em seu território.”

[b]Fonte: Reuters[/b]