O ex-presidente Jorge Quiroga, líder do principal partido da oposição, pediu ontem a mediação da Igreja Católica na crise boliviana, no momento em que seis dos nove departamentos do país entram em greve contra a nova Constituição.

Quiroga, do partido Podemos, a quem o presidente Evo Morales acusou de conspirar contra a Assembléia Constituinte, disse que enviou uma carta ao cardeal Julio Terrazas para “salvar a democracia boliviana, que está sendo duramente golpeada nos últimos dias”.

“O país está à beira de uma situação tremendamente complicada, amanhã começam paralisações, greves (…) A democracia está à beira do abismo, divisões regionais, Congresso fechado, meios de comunicação que estão sendo atacados, isto é qualquer coisa, exceto democracia”.

Quiroga, que foi derrotado por Morales nas eleições presidenciais de 2005, protestou ainda contra o cerco do Congresso mantido por camponeses para pressionar os legisladores da oposição a aprovar uma lei em favor dos idosos que tira dinheiro dos departamentos (estados).

“Peço ao cardeal que convoque uma cúpula política, que não espere mais. Esta escalada vai prosseguir, vai se complicar, a divisão regional, a violência entre bolivianos, a intolerância”, advertiu Quiroga.

Morales acusa Quiroga de agitar o país ao lado de governadores e organizações civis de direita dos departamentos de Santa Cruz, Tarija, Beni, Pando, Cochabamba e Chuquisaca, que entrarão em greve nesta quarta-feira.

Fonte: EFE