Em resposta aos ataques à Igreja protestante Batak, no último dia 2 de setembro, o maior partido político cristão local solicitou uma discussão pública. Durante a reunião, o Ministro Executivo da Igreja Indonésia, pastor Gomor Gultom, disse que o país está enfrentando seis problemas sérios que requerem atenção imediata e solução.

“Primeiro, nós vemos o governo e funcionários de segurança que desenvolvem um hábito de ignorar os ataques à igreja. Em alguns casos piores, funcionários apoiaram o movimento, enquanto declararam que uma residência foi impropriamente usada como lugar de adoração”, explicou.

“Segundo, que nossa Constituição garante os direitos religiosos, mas as autoridades têm falhado na tarefa de protegê-los”.

Terceiro, disse ele, “a comunidade indonésia é muito sectária e radical em assuntos religiosos”.

Quarto, “as pessoas levam a lei com as próprias mãos deles castigando os que quebram a lei, civil ou religiosa, por meios violentos”.

Quinto, “os ataques à igreja aconteceram debaixo do pretexto de democracia, com o princípio de que a vontade da maioria prevalece sobre a minoria, como se vê em comunidades em que muçulmanos e cristãos vivem juntos”.

Por último, de acordo com pastor Gultom, “acreditam esses que defendem o encerramento de igrejas que tais ataques são baseados na lei, seja ela islâmica ou direito civil”.

“É um motivo de preocupação quando eles pensam que os ataques a igrejas estão dentro da lei”, disse ele.

Uma série de fechamentos de igreja precedeu o incidente em Tangerang. Pelo menos no início de 2007, 20 igrejas e centros de adoração foram violentamente encerrados no outro lado Oeste e Central de Java.

Fonte: Portas Abertas