A família de uma cristã da etnia degar (também conhecida como montagnard), que está presa no planalto central do Vietnã, teme que ela esteja morta ou sofrendo danos terríveis resultantes de tortura.

Puih H’Bat, 42,está detida há seis meses. Ela foi presa por liderar um culto de oração ilegal em sua casa, sem ter se registrado no governo para praticar atividades religiosas.

“As autoridades estão tentando esconder a morte dela, e sua família teme o pior. A polícia não tem repassado informações”, alega a Fundação Montagnard. Pessoas de várias cidades têm apelado às autoridades para que Puih H’Bat seja solta.

Puih foi presa no começo da noite do dia 11 de abril, na cidade de Ploi Bang em Gia Lai, enquanto dirigia um culto no qual havia 20 cristãos. Oito policiais vietnamitas invadiram sua casa, colocaram-na viatura e a levaram para a prisão.

Na mesma noite, a polícia também prendeu outros dois cristãos: Ksor Sim e Rahlan Don. Ela borrifou um repelente químico na casa de Sim, forçando a sua família a sair do local.

Segundo a Fundação Montagnard, Puih pode ter sido escolhida porque, além de liderar reuniões de oração, ela é casada com um desertor que fugiu para os Estados Unidos. Seu marido, Rahlan Hre, 43 anos, está muito preocupado com a saúde e o bem-estar da sua esposa e teme pela sobrevivência de seus filhos. Segundo a Fundação, a mãe de Puih está com os netos.

Fonte: Portas Abertas