Uma das instituições de ensino mais tradicionais do estado, o Colégio Americano Batista (CAB) lança nesta quinta o livro Colégio Americano Batista – Uma linda história de amor, em comemoração ao seu centenário de fundação, completado ano passado.

A edição especial, editada pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) com apoio do governo do estado, faz um retrospecto dos principais acontecimentos registrados ao longo da história do colégio, enriquecido com fotos, depoimentos e entrevistas com ex-alunos e professores. O lançamento será às 19h, na quadra do CAB, em coquetel aberto ao público.

Escrito por Glaucília Perruci, Neide Abreu e pelo pastor José Almeida Guimarães – ex-alunos e professores aposentados da instituição – o livro é fruto de uma pesquisa fundamentada em documentos guardados no Arquivo Histórico Batista de Pernambuco. Grande parte das informações contidas na publicação, porém, foi construída com base em depoimentos de membros atuais e até de descendentes dos primeiros alunos, diretores e professores do colégio. O prefácio é assinado pelo diretor geral Ildibas Nascimento, que foi estudante do colégio durante a década de 60.

Com uma narrativa não-convencional, a antologia resgata o passado do CAB por meio de um diálogo fictício entre duas ex-alunas que se reencontram após um longo hiato. O livro traz depoimentos, contos, poesias e pequenos relatos pessoais. Intelectuais e escritores ilustres como Ariano Suassuna, Gilberto Freyre e Marcus Accioly passaram pelas salas do colégio.

No livro, Ariano Suassuna relembra o tempo de aluno interno dizendo que foi lá que “fez as melhores amizades” e ressalta que o Americano Batista era o único colégio que permitia salas mistas com homens e mulheres. Nas páginas seguintes, é reproduzido um artigo escrito por Gilberto Freyre em que ele atribui a sua formação integral e humanística ao corpo docente do colégio. O fato curioso é que Freyre dizia ter sido um aluno relapso, pois era quando criança “inimigo de ler, de escrever e de contar” e até os sete anos era aindaanalfabeto. Sob a tutoria do professor Mr. Williams (fundador do CAB), ele afirmou ter recuperado o tempo perdido; mas foi com o professor de história Muirhead que o sociólogo disse ter descoberto a sua vocação de escritor.

O Colégio Americano Batista foi fundado em 15 de janeiro de 1906 pelo missionário inglês Dr. William Henry Canada, que alugou um sobrado no Parque Amorim. Uma outra versão dá conta de que o colégio foi inaugurado em 1902, durante uma aula literária em um casebre ao lado da 1ª Igreja Batista do Recife, para 15 meninos. Inicialmente, a escola se chamava Colégio Americano Gilreath, denominação que perduraria até 1916. Idealizado para a educação dos crentes sob os princípios evangélicos, o CAB foi o 3º colégio criado pelos batistas em solo nordestino.

Serviço

Lançamento do livro Colégio Americano Batista – Uma linda história de amor

Quando: Nesta quinta, às 19h

Onde: Quadra do CAB

(Rua Dom Bosco, 1308, Boa Vista)

Quanto: R$ 50

Informações: (81)2122-5551