O PT decidiu investir na adesão dos evangélicos para tentar vencer a eleição no primeiro turno. Só nos últimos nove dias o candidato Luiz Inácio Lula da Silva teve três reuniões com representantes desse segmento em busca de votos. Anteontem à noite, fechando o ciclo, ele foi a Goiânia demonstrar gratidão ao prefeito da cidade, Iris Rezende (PMDB), que patrocinou a adesão de uma ala da Assembléia de Deus à sua candidatura.

Ao fazer o agradecimento público, Lula afirmou que o prefeito de Goiânia é um dos políticos mais sérios e honestos do País. ‘Ninguém tem 50 anos de vida pública se não for honesto’, disse. Ele também prometeu que se houver segundo turno entre o peemedebista Maguito Vilela e Alcides Rodrigues (PP), apoiado pelo tucano Marconi Perillo, irá quantas vezes forem necessárias a Goiás para ajudar a derrotar o PSDB.

A decisão de dar mais atenção aos evangélicos deve-se em parte às pesquisas eleitorais. Elas indicam que o prestígio de Lula é um pouco maior no meio católico do que entre os evangélicos. Segundo pesquisa do Ibope realizada na semana passada, enquanto 50% dos eleitores católicos dizem que vão votar no petista, entre os evangélicos a preferência desce a 45%. Além disso, enquanto 48% dos católicos classificam a atual administração entre ótima e boa, no meio evangélico fica em 44%.

Na segunda-feira à noite, em Goiânia, Lula fez de tudo para agradar a Iris. O prefeito de Goiânia foi o único a pegar carona no jipe que levou Lula até o local onde era realizado um evento do PMDB com 200 pastores evangélicos. No mesmo local foi instalado o palanque para um comício em que foi anunciada oficialmente a adesão do PMDB local à campanha da reeleição.

Lula lembrou que nos últimos 20 dias ele e Iris tiveram dois encontros e, no dia 4, no Palácio do Planalto, o prefeito de Goiânia levou até ele um comitê de pastores, liderado pelo bispo Manoel Ferreira, presidente da Convenção Nacional das Assembléias de Deus – uma dissidência da igreja, surgida em 1989, também conhecida como Ministério Madureira. Foi após esse encontro que o bispo anunciou o apoio à reeleição. A outra ala da Assembléia, o Ministério Belém, mais numerosa, pretende apoiar Alckmin.

Em Goiânia, Lula prometeu, se reeleito, duplicar as rodovias no Estado e ampliar as vagas universitárias. No embalo, prometeu até criar mais vagas no estacionamento do aeroporto local.

Fonte: Estadão