O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comparou neste sábado com Jesus Cristo por sofrer preconceito durante sua trajetória política e questionou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre investimentos de recursos federais no Estado de São Paulo.

“Me acusavam porque eu tinha barba mas não lembravam que Jesus Cristo tinha barba. Acusavam que a estrela do PT era comunista e depois me acusavam que eu não tinha diploma universitário”, afirmou Lula durante comício do candidato Sebastião Almeida (PT) à Prefeitura de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 6.000 militantes e cabos eleitores estiveram no ato político.

Ao contrário de outros comícios, Lula estava acompanhado do presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), e do ministro Franklin Martins (Comunicação Social). Bem humorado, Lula brincou com Martins e disse que o jornalista estava escondido no palanque.

Lula chegou a Guarulhos com duas horas e meia de atraso –o comício estava marcado às 14h– e alegou que a “culpa” era do prefeito Elói Pietá (PT), que administra a cidade há oito anos.

“O Elói ficou com medo que vocês [público] não viessem e marcou o comício para as 14h. Mas, se eu soubesse que era às 14h, eu estaria aqui às 13h30”, afirmou.

Sobre FHC, Lula fez uma série de questionamentos ao prefeito Elói Pietá. “Pergunte para o governador de São Paulo [José Serra (PSDB)] se o Fernando Henrique deu para o Mário Covas [governador de São Paulo morto em 2001] 10% do eu já dei para o Serra. E pergunte para o [ex-governador Geraldo] Alckmin se ele já recebeu do FHC 10% do que eu passei para ele. E passo em respeito ao povo de São Paulo”, afirmou.

O presidente defendeu a importância do Estado de São Paulo no país e disse que é preciso tratá-lo com “muito carinho”. Lula também disse que os adversários torcem “para que nada dê certo”.

“Inteligência não tem nada a ver com conhecimento. Inteligência nasce dentro de nós. Eu tenho o maior conhecimento porque eu entendo o sentimento da alma do povo brasileiro”, disse.

Fonte: Folha Online